#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

quarta-feira, 29 de julho de 2015

LIBERDADE DE EXPRESSÃO


Liberdade de expressão é o direito de manifestar livremente opiniões e ideias. Entretanto, o exercício dessa liberdade não deve afrontar o direito alheio, como a honra e a dignidade de uma pessoa ou determinado grupo. O discurso do ódio é uma manifestação preconceituosa contra minorias étnicas, sociais, religiosas e culturais, que gera conflitos com outros valores assegurados pela Constituição, como a dignidade da pessoa humana. O nosso limite é respeitar o direito do outro.

Fernando Zingra

OBSERVAÇÃO DE RUDYMARA: Nós podemos dizer que não concordamos com um pensamento, uma religião, uma forma de Governo ou governar, etc., mas não devemos insuflar ódio, desrespeito, violência. Por exemplo, o humorista ateu, Fábio Porchat, faz humor denegrindo a imagem de personagens da Bíblia, como Jesus e Maria. Veja o que ele disse em uma entrevista: "(...) A gente tem batido em coisas que, na verdade, merecem apanhar. No idiota que inventou a Ku Klux Klan, no padre pedófilo. Eu, por exemplo, não faço piada com Alá e Maomé, porque não quero morrer! Não quero que explodam a minha casa só por isso (risos). Mas, de um modo geral, a gente vai fazendo, vai falando (...)" Vejam o que ele disse: "A GENTE TEM BATIDO EM COISAS QUE MERECEM APANHAR." Ora! Isto é o ponto de vista dele. Talvez, o ponto de vista de outra pessoa, quem merece "apanhar" sejam os ATEUS (ele é ateu). E do ponto de vista de outras pessoas "idiota" são os humoristas que fazem piadas de mau gosto, preconceituosa, desrespeitosa com a religião dos outros. Qual a diferença? São apenas tipos diferentes de intolerância. Então, perguntamos: "Ofensa é humor?" Vamos aprender a fazer humor, comentários, sem ofender o pensamento ou gosto das pessoas. Nosso direito acaba quando começa o direito dos outros. Afinal, somos irmãos. Filhos de um só Pai. Somos diferentes na aparência porque Ele nos fez assim. E ao pensamento Ele nos deu o livre arbítrio para escolhermos o que queremos seguir. Portanto, não criemos guerra, como já foi criada, em nome de Deus. Ele não quer seus filhos brigando, discutindo, impondo seus pontos de vista. Podemos trocar informações, mas respeitando o ponto de vista do outro. Jesus disse: "AMAI-VOS, COMO EU VOS AMEI.” Ele não disse para amarmos apenas os que pensam como nós ou quem seguem o que seguimos. Não queremos impor ao humorista que deixe de ser ateu, assim como não queremos que ele nos imponha a ideia que religião não presta para nada. Vejam o que houve com a charge sobre Maomé. Nem todos são pacíficos. Nem todos entenderam que a lei de Deus é amor, perdão, união entre povos, mesmo que tenhamos pensamentos, aparência, etc., diferente. Respeitemos, para que sejamos respeitados.

0 comentários:

Postar um comentário