#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Racismo

joao-gubolin1
O que é o racismo e por que se constitui em um paradoxo do bem-estar social? Qual o motivo desse ato que ocorre desde os tempos mais remotos?
A população mundial é constituída por diversas raças e cada uma possui suas características que variam na cor de pele, no formato de crânio, no tipo de rosto, de cabelos, na estrutura corporal, etc… Também tem seus costumes, cultura, padrão socioeconômico, formação educacional e às vezes, religiosa.
A lógica nos mostra que a evolução do planeta e do ser humano é necessária, isso é lei imutável e vigente. Por esse motivo, o relacionamento interpessoal torna-se inevitável, e ocorre em nossa vida diária, na escola, no trabalho, no lazer, enfim, por todos os lugares por onde andamos, através da comunicação verbal ou de expressão corporal, ainda que meramente casual.

Existindo somente o sentimento, ou seja, lá “no íntimo de cada um”, o racismo passa despercebido, porém, quando há manifestação do agente através de uma ação, com gesto ou voz ofensiva, então, o fato aparece, torna-se saliente em virtude do clamor do ofendido.
Quando ocorre o preconceito ou racismo, cujo resultado é o mesmo, ou seja, ofensa à dignidade de alguém, é porque existe imperfeição no relacionamento, pois somos espíritos em evolução e cada um está no seu respectivo estágio.
As desigualdades sempre existiram! E ainda vão continuar a existir!  Não temos o poder para mudá-las plenamente, do dia para a noite, mas, poderemos mudar nossos comportamentos, gradativamente… Os grandes vilões do racismo estão alicerçados no egoísmo e no orgulho, binômio este que ainda permanece dominante entre os povos. Os registros históricos da humanidade nos mostram que essa soberbia já foi pior nos séculos passados.
Racismo é o sentimento, ato ou ação, do indivíduo que sustenta sua superioridade em detrimento e menosprezo de outros, ou ainda, expõe alguém em situação vexatória e de inferioridade, também conhecida como preconceito racial, ou seja, o pré-julgamento que se faz sem qualquer ponderação.
Esse tipo de imperfeição que vivenciamos no dia a dia, nos alerta que devemos nos instruir e praticar todos os ensinamentos deixados por Cristo, entre eles, o de “amar o próximo como a ti mesmo”.
Em suma, a humanidade somente estará livre desse mal ou imperfeição, quando estiver evoluída espiritualmente e moralmente, assim poderá praticar o perdão, a paciência, a ética, a compreensão, comandada pelo Dom Supremo que é o Amor, e aí o racismo ou preconceito racial não terá força nem chance para eclodir.
João Gubolin
Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <http://leiaki.net/jornalista-e-vitima-de-racismo/>.
Acesso em: 12JAN2016.

0 comentários:

Postar um comentário