#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

quarta-feira, 13 de abril de 2016

ATENDIMENTO DEPENDENTES - PS:Essa noticia é do estado do Ceara mas achei de suma importância abrange-la

drogas espiritismo
"Vinde a mim todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim que sou brando e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas, pois é suave o meu jugo e leve o meu fardo". (Mateus, 11:28 a 30; ESE, cap. VI, 01)
Nós que compomos a Coordenação do Atendimento Espiritual da Federação Espírita do Estado do Ceará (FEEC), após ampla discussão realizada no Seminário de Unicação 2013, aprovamos o presente texto que traz reexões e sugestões para o aprimoramento da assistência espiritual nos Centros Espíritas, especicamente no que respeita ao tema do enfrentamento ao uso do álcool e de outras drogas. O fundamento norteador do Atendimento Espiritual (AE) é a tríade – acolher, consolar e esclarecer/orientar. Estas são atitudes básicas vivenciadas pelo Cristo, nosso mestre e amigo. Sabemos que nossos visitantes chegam à Casa Espírita, geralmente, sem lucidez para analisar e fazer escolhas sozinho. Também chegam sem forças para iniciar uma mudança de atitude/comportamento. Para vencer as dependências há necessidade de pensamento, vontade e ação, ou seja, a pessoa tem que se propor a agir continuamente na direção da mudança. Só ela pode fazer esta mudança! Ninguém é sujeito pelo outro. Porém, fraternalmente, podemos ajudar, começando por acolhê-lo.
ACOLHER É
Recebê-lo de maneira gentil e natural, mas sincera e atenciosa, amiga e amorosa. Com um olhar tranquilo e um sorriso terno, envolvendo-o em vibrações de paz. Sem sinais de cansaço ou enfado, de contrariedade, preocupação ou de pressa. Sem preconceitos. Sem "ouvidos curiosos", respeitando sua privacidade. Sem admoestações ou críticas. Sem apontar falhas ou defeitos. Sem julgamentos. Respeitando as limitações e diculdades de cada um.
Em seguida, devemos consolá-lo. Lembremos que a Doutrina Espírita é o Consolador prometido por Jesus!
CONSOLAR É
Fazê-lo sentir-se como um lho de Deus, e, portanto, amado e amparado por Ele assim como por Jesus e pelos Benfeitores Espirituais que agem em seu nome. Agindo com amor - amá-lo como ama a si mesmo, isto é, fazer a ele o que gostaria que ele zesse a você. Usando a compaixão – o sentimento que nos faz sentir a dor de outrem como se fosse nosso. Procurando a empatia que nos faz sentir como se estivéssemos na situação do outro.
Nossa Doutrina tem um caráter eminentemente educativo, daí nossa tarefa de esclarecer/orientar:
ESCLARECER/ORIENTAR É:
Informar princípios doutrinários básicos, trazendo as lições do Evangelho de Jesus, como socorro imediato e oportuno. Deixar claro que:
  • ele é um Espírito imortal que vivencia experiências milenares através de vidas sucessivas;
  • ele foi criado simples e sem conhecimentos, sendo dotado de todos os recursos e potencialidades para desenvolver a inteligência e o sentimento, conquistando seu progresso evolutivo. Tendo em si, portanto, os recursos para vencer suas diculdades, revertendo o quadro de suas aições;
  • tem liberdade de escolha, mas ca responsável pelas consequências que advierem;
  • somente ele poderá alterar o quadro atual, pela vontade rme de mudanças;
  • a análise e compreensão das causas de seus problemas possibilitarão a busca de soluções. As reservas de forças, de equilíbrio e de harmonia são construções próprias;
  • não transferir para os espíritos as tarefas que são suas.
Estas orientações gerais servem para o atendimento a qualquer pessoa que procura a Casa Espírita, incluindo os dependentes de álcool e de outras drogas e seus familiares. No entanto, frente ao aumento vertiginoso dos usuários de diferentes drogas, nos inquietamos e indagamos: o que a Casa Espírita pode fazer mais especicamente por este público? Devemos ir a eles diretamente nas ruas? Devemos pensar em instituições espíritas para tratamento? Como agir?
Os Espíritos Superiores que orientam o Movimento Espírita recomendam unicação sem padronização. Recomendam estudo, formação continuada de trabalhadores espíritas e compreensão do papel de uma Casa Espírita. 
Entendemos por unicação, não uma padronização de normas rígidas ditadas por instâncias dirigentes, mas como um encaminhamento conjunto empenhado em encontrar na Codicação Espírita, diretrizes que precisam ser exibilizadas no cotidiano do Movimento Espírita para adequação às realidades múltiplas. Não podemos esquecer que os princípios de autonomia e de liberdade dos Centros Espíritas norteiam as iniciativas de orientação e de formação no Movimento Espírita. Deste modo, seguindo as orientações básicas do Movimento Espírita oriundas da FEB, cada Centro Espírita deve ir descobrindo suas formas de ação e socializando suas experiências para enriquecimento mútuo.
Antes de tudo, devemos ter clareza que todo o trabalho realizado em uma Casa Espírita, por seu caráter educativo e de chamamento ao aprimoramento íntimo já é, em si, um trabalho de prevenção ao uso de álcool e de outras drogas.
 A temática aqui focada deve ser pensada de forma integrada com as áreas de mediunidade, assistência social, comunicação social, ESDE, infância e juventude. Tornar o Centro Espírita um grande núcleo fraterno em que seus visitantes e trabalhadores desenvolvam vínculos afetivos é um grande fator de proteção. 
Um trabalho de evangelização infantil e juvenil bem realizado forma sujeitos equilibrados e conectados com a espiritualidade maior, afastando-os de tudo que ameace a vida vivida em abundância. As palestras públicas e os estudos sistematizados realizados nas Casas Espíritas são importantes espaços para dar suporte informativo e formativo para todos. As mediúnicas são espaços de socorro e esclarecimento aos irmãos desencarnados que estão envolvidos com a problemática do álcool e de outras drogas.
 Estas são nossas tarefas! Vamos realizá-las com qualidade e amor! Não esqueçamos que o Espiritismo na sua tarefa educativa e evangelizadora oferece elucidações para os conitos, anseios, problemas íntimos e diculdades existenciais de diferentes matizes por assentar-se nos ensinamentos morais do Cristo.
A seguir, passamos a apresentar sugestões colhidas em reuniões de estudo e de trabalho no Movimento Espírita:
  • aprimorar o trabalho do AE nos Centros Espíritas, divulgando sua importância e formando continuamente seus trabalhadores;
  • dar grande atenção à temática da família, orientando e acompanhando a prática do Evangelho no Lar;
  • realizar cursos sobre prevenção e enfrentamento do uso do álcool e de outras drogas;
  • sistematizar material didático para utilização nos cursos: brochuras, roteiros, textos para reexão e slids;
  • estimular os dirigentes das Casas Espíritas responsáveis pela programação de palestras públicas, que incluam recorrentemente o tema aqui enfocado, para ser tratado à luz da Doutrina Espírita por palestrantes
  • preparados;
  • a Coordenação do AE da FEEC deve manter um banco de dados com nomes, telefones e e.mails de palestrantes que tenham intimidade com o tema, disponibilizando para as Casas Espíritas;
  • manter folhetos de divulgação do AA, Al. ANON, NA e NAR.ANOM, com nomes, endereços, telefones e e.mails, disponibilizando aos assistidos;
  • divulgar endereços dos Centros de Apoio Psicosocial – álcool e outras drogas;
  • formação de grupos de estudos sistematizados sobre a obra de André Luiz, enfocando as consequências espirituais para encarnados e desencarnados do uso de álcool e de outras drogas;
  • estudo da obra de Joana de Ângelis, sobretudo aquelas que tratam diretamente de autodescobrimento e de família;
  • divulgar trabalhos especícos dos Centros Espíritas que servem de referência para o atendimento dos usuários de álcool e de outras drogas.
Desde já tomamos a iniciativa de divulgar dois trabalhos que estão em fase de implantação e aprimoramento que podem ajudar outras Casas Espíritas:
1) A EXPERIÊNCIA COM O MAGNESTISMO: ao chegar à Casa Espírita a pessoa é recepcionada e encaminhada para o orientador fraterno que identica se a mesma está dentro do perl para ser encaminhado para o Magnetismo. Ao chegar ao grupo a pessoa é encaminhada para a leitura e comentário do Evangelho Segundo o Espiritismo que será o elemento norteador das mudanças de hábitos e atitudes (reforma intima/evangelização). Em seguida a pessoa é encaminhada para receber passes com um magnetizador (um trabalhador da casa que estuda o Magnetismo com base nas obras clássicas do Magnetismo e magnetizadores da atualidade como Adilson Mota e Jacob Melo).Uma vez por semana o assistido é ouvido por um entrevistador para acompanhar como está sendo a evolução do mesmo. Ao nal de oito semanas o assistido poderá ser encaminhado para uma sala de AE ou manter o acompanhamento com o magnetizador. 

Este trabalho é realizado nas seguintes casas:
CENTRO ESPÍRITA LAR DOS HUMILDES: Rua Cônego de Castro, 920 – Parangaba.Tel: 32258866 – bragadeolinda@yahoo.com.br
Atendimentos às terças-feiras às 19:30h. Contato: Nonato (96864547).

CENTRO ESPÍRITA CAMILLE FLAMMARION: Rua Hugo Vitor, 670 – Antônio Bezerra. Atendimento às
segundas e quartas feiras às 19:30h – Contato: Gilberto (88713852).

CENTRO ESPÍRITA GRÃO DE MOSTARDA: Rua Torres Portugal, 257 – Parque Araxá. Atendimento às
quintas-feiras às 19:30h. Contato: Carlos Airton (Carlos.airton.br@gmail.com)
2) A EXPERIÊNCIA DA CASA DA SOPA COM A TERAPIA COMUNITÁRIA: Rua Assunção,431 - Centro. Contato: Leonardo e José Fernando (gecasadaspa.ce@gamil.com. Atendimento a pessoas em situação de rua.

0 comentários:

Postar um comentário