#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

sexta-feira, 3 de março de 2017

DESENLACE DE MARIA

Resultado de imagem para maria de nazaré
Após a crucificação, Maria separou-se dos discípulos que dissiparam-se pelo mundo na divulgação da Boa Nova. A Ave de Luz terminou seus dias em Éfeso, na companhia de João Evangelista, atendendo no santuário doméstico àqueles que lhe procuravam. Sua vida era repleta de lembranças agradáveis e gestos nobres de extrema devoção.
"Para aquela mãe amorosa cuja alma digna observava que o vinho generoso de Caná se transformara no vinagre do martírio, o tempo assinalava sempre uma saudade maior no mundo e uma esperança cada vez mais elevada no céu. Sua vida era uma devoção incessante ao rosário imenso da saudade, às lembranças mais queridas. Tudo que o passado feliz edificara em seu mundo interior revivia na tela de suas lembranças, com minúcias somente conhecidas do amor, e lhe alimentavam a seiva da vida". (Humberto de Campos, Boa Nova, Cap. 30, p. 199).
Maria se fizera referência a quantos desejassem acolhimento e amparo. Transformou-se em verdadeira mãe de todos. Era procurada frequentemente, ao final de sua vida para acalentar os sofredores, e por sua vibração de amor passou a representar verdadeiro símbolo de mãe. Não sem razão, sua casa era conhecida como “Casa da Santíssima”.
Certo dia, estando em sua casinha simples, percebeu que um pedinte se aproximava. O fato parecia ser corriqueiro, pois que frequentemente ela era procurada pelos sofredores do mundo. Recebeu o mendigo com carinho, mas começou a notar nele vibração diferente dos demais que a procuravam.
“Maria sentiu-se empolgada por tocante surpresa. Que mendigo seria aquele que lhe acalmava as dores secretas da alma saudosa, com bálsamos tão dulçorosos? Nenhum lhe surgira até então para dar; era sempre para pedir alguma coisa. No entanto, aquele viandante desconhecido lhe derramava no íntimo as mais santas consolações”. (Humberto de Campos, Boa Nova, Cap. 30, pág. 204).
A situação a deixara emocionada. Não entendia o que estava acontecendo, mas sentia uma vibração diferente, algo doce que lhe trazia à alma sensação de leveza e paz.
“Foi quando o hóspede anônimo lhe estendeu as mãos generosas e lhe falou com profundo acento de amor: “Minha mãe, vem aos meus braços!” (Humberto de Campos, Boa Nova, Cap. 30, pág. 205).
E Jesus acrescenta.
"Venho buscar-te, pois meu Pai quer que sejas no meu reino a Rainha dos Anjos" (Humberto de Campos, Boa Nova, Cap. 30, p. 205).
A partir deste evento, da aparição de seu Filho amado, oportunidade de reencontro que ela tanto desejava e havia pedido, Maria em pouco tempo desencarna e é conduzida ao plano espiritual. Despede-se daqueles que a adotaram como mãe, sofredores da época, passeia pela Galiléia e revive os quadros evangélicos. Completa sua missão e retorna aos planos espirituais evoluídos.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Maria sofreu com os sofrimentos de Jesus. Contudo, jamais se rebelou com os homens. Em tempo algum deixou de perdoá-los e compreendê-los em seus sacrifícios, simplesmente soube amar.
"Quando, ó Virgem Mãe, a humanidade puder compreender quem foi Maria, não mais verás, é certo, as multidões enchendo os templos, em busca das fórmulas rituais, que nada valem; terás, porém, em cada coração de crente, um tabernáculo, onde, cheio de fé, o espírito se levante, para dizer - abençoado para todo o sempre seja o sagrado nome de Maria!". (Bittencourt Sampaio, Do calvário ao Apocalipse, Cap. 1, pág. 8).
Dia chegará na Terra que sua passagem por aqui será melhor compreendida. Enquanto isso nos esforcemos para abrir nossas mentes para as poderosas manifestações do amor. Abdiquemos ao menos um pouco de nossos interesses materialistas para adentrar nessa imensa história de devoção. Compreendamos o imenso trabalho desempenhado por Maria. Busquemos nas fontes sérias os relatos de suas ações, a sua origem espiritual, sua obra na Terra, e principalmente seu estado de aceitação dos desígnios de Deus. Seu exemplo poderá, agora ou nos caminhos do futuro, despertar em nós a consciência de viver em obediência a Deus.
BIBLIOGRAFIA
A BÍBLIA SAGRADA. Tradução de João Ferreira de Almeida. São Paulo. CIA. Brasileira de Impressão e Propaganda, 1969.
KARDEC, Allan. O LIVRO DOS ESPÍRITOS. Ed. Especial. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2006.
MARTÍN, Santiago. O evangelho secreto da virgem Maria. Tradução de Yolanda e Hilton Amaral. São Paulo: Mercuryo : Paulus, 1999.
MARTINS, Jorge Damas. Regina: o evangelho de Maria. Rio de Janeiro: Aliança da Fraternidade, 2000.
MAIA, João Nunes, ditado pelo espírito Miramez. Maria de Nazaré. Belo Horizonte: Fonte Viva, 2001.
ROUSTAING. J. Baptist. Os quatro evangelhos. v. 1. Tradução Guillon Ribeiro. 9. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1999.
__________. Os quatro evangelhos. v. 2. Tradução Guillon Ribeiro. 8. ed. Rio de Janeiro. FEB: 1995.
__________. Os quatro evangelhos. v. 3. Tradução Guillon Ribeiro. 8. ed. Rio de Janeiro. FEB: 1995.
SANT`ANNA, Hernani T., ditado pelo espírito Áureo. Universo e Vida. Rio de Janeiro: FEB, 1994.
XAVIER, Francisco Cândido, ditado pelo espírito Humberto de Campos. Boa Nova. Brasília: Federação Espírita Brasileira, 1985.
______, pelo espírito Emmanuel. A Caminho da Luz. 12. ed. Rio de Janeiro, FEB: 1983.
UBALDI, Pietro. Deus e Universo. 3. ed. Campos, RJ: Fundação Pietro Ubaldi: 1987.

0 comentários:

Postar um comentário