#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Esta se aproximando um grande evento no Piaui

domingo, 30 de julho de 2017

Se você está pensando em suicídio agora

Por favor, espere somente alguns minutos e leia isto!
Embora eu não te conheça profundamente, sei que é alguém que sente uma dor profunda e por isso não se sente capaz de seguir adiante, por mais tempo.
Sei também que neste instante você está lendo isto, o que é muito bom!
Sei que você chegou até aqui por estar muito angustiado, pensando em pôr um fim em sua vida. Se fosse possível gostaria de estar com você, neste momento, ao seu lado, para conversarmos cara a cara! Mas por não ser possível deveremos nos conformar com a comunicação escrita.
Não vou discutir se você deve suicidar-se ou não, mas como você está comigo, aqui ao meu lado, espero que você coloque em dúvida o que está pensando em fazer.
Sentir-se confuso diante de pensamentos em torno da morte é normal. Ao mesmo tempo em que você quer morrer, é possível que, por outro lado, você deseje viver.
Não tome uma decisão tão importante, de forma precipitada. Você tem todo o tempo que deseja e sempre se pode suicidar-se mais tarde.
Muitas pessoas pensam no suicídio, pois parece não haver outra saída. Elas acreditam que não podem suportar mais tanta dor, assim como ocorre com você agora. Mas não pense que você é uma pessoa perversa por assim pensar ou que esteja louco. Ninguém escolhe suicidar-se. Ele ocorre quando a dor que sentimos é maior que os recursos para enfrentá-la.
Então, não podemos tratar o suicídio como algo correto ou incorreto, nem como um defeito de caráter ou fraqueza moral, é sim um desequilíbrio entre a dor e os recursos para vencê-la.
É possível vencer os pensamentos suicidas se:
1. Encontramos um modo de diminuir nossa dor.
2. Aumentamos nossos recursos para superá-la.
3. Ou as duas coisas ao mesmo tempo.
Não existe remédio mágico, mas também é verdade que:
1. O suicídio cria uma situação irreversível para um problema passageiro.
2. Quando estamos deprimidos tendemos a ter uma visão estreita e pouco objetivo das coisas. Com o passar dos dias tudo pode mudar.
3. A maioria das pessoas que se viram às voltas com a ideia do suicídio, depois se sentiu muito felizes por estarem vivas. Na realidade não desejavam colocar um fim em suas vidas, mas queriam evitar a compaixão alheia e a dor.
Temos mais algumas considerações a fazer:
1. É muito importante que você procure alguém para conversar. Pessoas como você, que está pensando no suicídio, não deve ficar a sós. Você tem que buscar ajuda agora.
2. Conversar com alguém da família ou com algum amigo ou colega pode trazer um grande alívio à dor que sentimos. O apoio, o aconchego que recebemos aumenta nossa capacidade de enfrentar todas as situações.
3. O tempo é um fator muito importante e isso não lhe falta. O tempo é o seu maior aliado. Espere antes de tomar qualquer decisão precipitada.
4. Procure com urgência um médico ou um psicólogo. Uma pessoa que passa por um período de tristeza, de desânimo, de abatimento pode estar sofrendo de depressão. E essa doença pode tratada com medicamentos ou sessões de terapia.

Amor de Provação

Agenda Espírita Brasil - 60 Livro de Richard Simonetti_original
01 –  O que significa o “Amor de Provação”, título de seu 60º livro, publicado pela Editora Ceac?A ideia foi resumir o romance no título, falando de um casal submetido à provação de sentir intenso amor, impossível de ser realizado, em virtude de seus compromissos cármicos.
02 – Qual a origem de um amor de provação?Geralmente nos desvios do passado. Digamos que em vida anterior, para ficarem juntos, amantes comprometeram-se em desatinos variados, tipo abandonar cônjuge e filhos, mentir, trair, cometer crimes… A experiência tem função educativa, com o princípio de que não podemos construir nossa felicidade em cima da infelicidade alheia.
03  – É comum uma situação dessa natureza? A provação de não poder consumar uma ligação amorosa?Acontece com frequência. Na história de muitas pessoas há, não raro, o drama de um amor não realizado. Amam-se muito, mas por circunstâncias alheias à sua vontade, não podem ficar juntas. Há sempre algo do passado na origem dessas situações.
04 – A Doutrina Espírita nos fala que o Espírito encarnado pode estar em provação ou expiação. Qual a diferença entre essas duas situações?No amor de provação, seria a impossibilidade de realizar uma união entre almas afins, em virtude da escolha de ambos, objetivando resgate do passado. Num amor de expiação seria essa mesma situação imposta pela justiça divina, contrariando a vontade do casal.
05 – Ao que parece, o amor de expiação seria mais complicado?Sim, porque é menos problemático cumprir o que planejamos do que cumprir o que planejam para nós. Geralmente é num amor de expiação, que vemos alguém deixar um casamento para ficar com o ser amado.
06 –  Dizem que quando alguém encontra sua alma gêmea, o Espírito ao qual está ligado há milênios, nos domínios do amor, a atração é irresistível. A pessoa abandona tudo para ficar com a alma gêmea…Em primeiro lugar é preciso lembrar, que almas gêmeas, no sentido que se atribui ao vocábulo, Espíritos criados juntos que devam unir-se para sempre, não existem. Não somos criados aos pares, nem precisamos estar unidos a alguém para nos realizarmos como filhos de Deus. Quanto à atração irresistível, é apenas uma maneira de justificar o delito do adultério. Nenhum sentimento vicioso ou desajustado será irresistível para aquele que cumpre o orai e vigiai recomendado por Jesus.
07 – Qual a diferença entre o amor e a paixão?A paixão situa-se no domínio dos instintos, procura apenas a autoafirmação, o prazer a qualquer preço, sem perspectivas além da hora presente, sem intenções mais sérias. O amor, pelo contrário, situa-se nos domínios do sentimento, realiza-se com o bem que possa oferecer ao ser amado. Exemplo maior está no amor de mãe que tem no bem do filho, “espelho em que se mira admirada, luz que lhe põe nos olhos novo brilho”, como ressalta Coelho Neto.
08 – Pode o amor converter-se em paixão?Sim, com frequência, quando aquele que ama envolve-se com a fantasia, pensamento voltado para a sensualidade, o prazer sexual. O anseio de comunhão das almas pode ser substituído aqui pelo anseio de comunhão dos corpos. É o instinto falando alto. O adultério é eminentemente originário da paixão.
Richard Simonetti

Zilda Arns, seareira do Cristo

Diante dos descalabros morais que abalam o Brasil, lembrei-me dela. No lamentável terremoto que atingiu o Haiti em 2010, com vasta destruição e muitas mortes, levou também de retorno à pátria de origem a respeitável Zilda Arns. Com três indicações ao Premio Nobel da Paz, Zilda dedicou sua vida ao próximo. Irmã de D. Paulo Evaristo Arns e nascida em 1934, a notável mulher integra equipe dos seareiros do Cristo em atividade no planeta: uma vida dedicada à educação, ao amparo da infância, da gestante e da pessoa idosa. Morreu na causa que sempre acreditou, como afirmou D. Paulo.
Em citação do conhecido portal UOL, na tarde daquela quarta-feira:
“(…) Médica pediatra e sanitarista, Zilda Arns era fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa, órgão de Ação Social da CNBB. A Pastoral estima que cerca de 2 milhões de crianças e mais de 80 mil gestantes sejam acompanhadas todos os meses pela entidade em ações básicas de saúde, nutrição, educação e cidadania (…)”.
É preciso falar mais?
Essa fecunda atividade no bem, normalmente, em favor dos desfavorecidos de toda ordem, como a infância abandonada ou desnutrida, gestantes carentes e também pessoas idosas, ou mesmo pessoas marginalizadas é grande marca dos seareiros do Cristo, que se inspiram no exemplo de Jesus, apesar das fraquezas e limitações humanas. Não perdem tempo com contendas, reclamações, justificativas, acusações ou dificuldades. Simplesmente trabalham. Trabalham porque reconhecem as dificuldades que aguardam a decisão humana, trabalham porque confiam no bem, trabalham porque sabem que o Mestre da Humanidade espera pela nossa decisão de amar. Basta observar. Assim foram, quando na passagem pelo planeta, Irmã Dulce, Madre Tereza, Chico Xavier e outros valorosos vultos da história humana, ainda que muitos permaneçam anônimos, desconhecidos e mesmo na maioria das vezes incompreendidos e marginalizados. Cada um em seu estágio e atividades próprias, mas todos dignificando a condição humana.
Porém, há um detalhe que não devemos esquecer: somos imortais. Por terremoto, doenças, acidentes, idade avançada ou outras causas, todos deveremos retornar à condição primeira de todos nós: seres imortais. Por isso, Zilda, como tantos outros, que continuam a trabalhar, ainda que invisíveis aos limitados olhos humanos, também continuará sua luta de fé e trabalho pelo bem, ainda que com o corpo físico destruído. O corpo não é alma; o corpo é mero instrumento temporário. O espírito vive e é imortal.
No caso da notável Zilda Arns, sete anos depois, não é a morte que interrompeu seu amor e dedicação à causa do bem, o amor ao semelhante em dificuldade ou sofrimento. Também a morte não afetou sua fé, sua confiança em Deus, sua determinação e perseverança nos ideais que abraçou. A morte apenas nos transfere para outra esfera, mas os laços de sintonia, afeto, esses continuam. Para nós, fica o exemplo de solidariedade e humanidade. Exemplo dessa grande alma que também parte no trabalho, deixando a marca do bem em seus luminosos passos. Quanto ao terremoto, desafio para o nosso raciocínio de pensar por quê?
Como conciliar a bondade e grandeza do Criador com tanta violência e dor? É incompatível, não é mesmo? Há que haver uma causa anterior que determine tais acontecimentos e isso encontra explicação lógica na pluralidade das existências, um princípio básico da Doutrina Espírita. O assunto é vasto e para ser entendido em toda sua amplitude precisa ser pesquisado, estudado. Por isso recomendamos, com ênfase, o estudo do tema em O Livro dos Espíritos, especialmente nas questões 737 a 741 e atreladas às questões 166 a 171 e 222, entre outras.
Orson Peter Carrara
Nota do Editor:
Imagem em destaque disponível em <http://www.a12.com/files/media/originals/dra_zilda_51_2.jpg>. Acesso em 02 de Abril de 2017.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Cartas Psicografadas Para Famílias Muito Choro, Muita Emoção!


Relembrando ontem Leonardo um jovem palestrante de um curriculo invejável e tão jovem e como se bastasse no fim de sua fala nos brindou com Castro Alves

O povo ao poder 
Quando nas praças s’eleva
Do povo a sublime voz…
Um raio ilumina a treva
O Cristo assombra o algoz…
Que o gigante da calçada
Com pé sobre a barricada
Desgrenhado, enorme, e nu,
Em Roma é Catão ou Mário,
É Jesus sobre o Calvário,
É Garibaldi ou Kossuth.
A praça! A praça é do povo
Como o céu é do condor
É o antro onde a liberdade
Cria águias em seu calor.
Senhor!… pois quereis a praça?
Desgraçada a populaça
Só tem a rua de seu…
Ninguém vos rouba os castelos
Tendes palácios tão belos…
Deixai a terra ao Anteu.
Na tortura, na fogueira…
Nas tocas da inquisição
Chiava o ferro na carne
Porém gritava a aflição.
Pois bem… nest’hora poluta
Nós bebemos a cicuta
Sufocados no estertor;
Deíxai-nos soltar um grito
Que topando no infinito
Talvez desperte o Senhor.
A palavra! vós roubais-la
Aos lábios da multidão
Dizeis, senhores, à lava
Que não rompa do vulcão.
Mas qu’infâmia! Ai, velha Roma,
Ai, cidade de Vendoma,
Ai, mundos de cem heróis,
Dizei, cidades de pedra,
Onde a liberdade medra
Do porvir aos arrebóis.
Dizei, quando a voz dos Gracos
Tapou a destra da lei?
Onde a toga tribunícia
Foi calcada aos pés do rei?
Fala, soberba Inglaterra,
Do sul ao teu pobre irmão;
Dos teus tribunos que é feito?
Tu guarda-os no largo peito
Não no lodo da prisão.
No entanto em sombras tremendas
Descansa extinta a nação
Fria e treda como o morto.
E vós, que sentis-lhe o pulso
Apenas tremer convulso
Nas extremas contorções…
Não deixais que o filho louco
Grite “oh! Mãe, descansa um pouco
Sobre os nossos corações”.
Mas embalde… Que o direito
Não é pasto do punhal.
Nem a patas de cavalos
Se faz um crime legal…
Ah! não há muitos setembros
Da plebe doem os membros
No chicote do poder,
E o momento é malfadado
Quando o povo ensangüentado
Diz: já não posso sofrer.
Pois bem! Nós que caminhamos
Do futuro para a luz,
Nós que o Calvário escalamos
Levando nos ombros a cruz,
Que do presente no escuro
Só temos fé no futuro,
Como alvorada do bem,
Como Laocoonte esmagado
Morreremos coroado
Erguendo os olhos além.
Irmãos da terra da América,
Filhos do solo da cruz,
Erguei as frontes altivas,
Bebei torrentes de luz…
Ai! soberba populaça,
Rebentos da velha raça
Dos nossos velhos Catões,
Lançai um protesto, é povo,
Protesto que o mundo novo
Manda aos tronos e às nações.

Momento poesia

BRASIL, 500 ANOS
Ó Brasil, abre a porta dos teus mares,
Chegou a hora já de semeares
As luzes matutinas do porvir...
O mundo envelhecido já em esgares
Implora-te a tarefa de rasgares
As veredas cristãs do evoluir.

500 anos já que Portugal
Aqui fez aportar a nobre nau
Outorgando-te o mandato de nação...
E inda guardas das lágrimas o sal
Dos homens que te ergueram o imortal
Destino de ser terra em coração.

Com simples doçura portuguesa,
Com os olhos tristonhos de beleza
Do negro escravizado na senzala,
Com os índios extintos com rudeza
No cenário sem par da natureza
Agora, meu Brasil, ao mundo fala!

Quando disseres a mensagem-luz
Na linguagem loquaz da santa cruz,
Indígenas, escravos, europeus,
Erguer-se-ão da terra que reluz
E, louvando o Evangelho de Jesus,
Mostrarão o caminho para Deus!

Mas lembra-te que a ti cabe a missão
E te compete a luta na ascensão
E o merecer do prêmio da vitória!
Serás somente a fúlgida nação
Se fizeres com fé e com razão
De justiça e de paz a tua história!
Médium Dora Incontri
Conferência Espírita Brasil-Portugal, 18/3/2000
Folha Espírita - Maio de 2000

Neurocientista alerta para o número de jovens mortos por depressão

O último dia 07 de abril foi o Dia Mundial da Saúde. Confira abaixo em áudio uma entrevista que republicamos, obtida através da Rádio USP, onde especialista discorre acerca da Depressão, doença que afeta crianças, jovens e adultos e pode levar ao suicídio. Esclarecimento é o melhor remédio a fim de colaborarmos ajudando-nos uns aos outros.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) escolheu a depressão como tema para este ano. Com o lema “Let’s talk” (Vamos conversar, em português), a iniciativa reforça questões sobre prevenção e tratamento da doença.
Sobre o assunto, o Jornal da USP entrevistou a professora doutora Silvana Chiavegatto, neurocientista do Departamento de Farmacologia do Instituto de Ciências Biomédicas da USP. Ela alertou acerca do fato da depressão ser a segunda causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos.
O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93,7, em Ribeirão Preto FM 107,9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.
Clique aqui para ouvir a entrevista
Fonte: Jornal da USP – http://jornal.usp.br/

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Mais momentos emocionantes








A depressão pode ter causa espiritual?


A depressão é uma doença que compromete o organismo como um todo: a capacidade de pensar, executar tarefas, comer e até dormir. Não é apenas um “baixo astral”. A pessoa deprimida não consegue simplesmente reagir e se livrar dos sintomas incapacitantes. A depressão maior envolve muitos sintomas e inibem bastante a capacidade da pessoa, sua ação e seu humor. A depressão menor, chamada de distimia, envolve sintomas crônicos e prolongados. Não são tão incapacitantes como a depressão maior, no entanto, a pessoa com distimia também pode desenvolver uma depressão maior.
O distúrbio bipolar antigamente chamado de doença maníaca depressiva, caracterizada por períodos de depressão e outros de mania. 

Em todos esses casos é necessário um tratamento psiquiátrico ou psicoterapia ou ambos. A eficácia dos antidepressivos está assegurada. O efeito dos medicamentos é sentido em tres semanas aproximadamente. Depende de cada pessoa.

A depressão também pode ter causas espirituais, isto é, ser um processo obsessivo causado por um espírito inferior. Nesse caso, o espírito obsidia a pessoa e a perturba mentalmente. Sua vibração pesada e inferior afeta a saúde do deprimido como um todo. Os medicamentos não fazem o efeito esperado. É o que chamamos popularmente de encosto.
Nesse caso o doente deve procurar um tratamento espiritual numa casa espírita. No entanto, não deve, em hipótese nenhuma abandonar o tratamento medico ou ambulatorial. Deve aliar o tratamento médico com o espiritual. Obsessões graves podem comprometer muito a saúde física e emocional da pessoa.
Praticamente todas religiões oferecem suporte para tratamento espiritual. Na religião católica, imposição das mãos. Na religião espírita, passes e água fluida. E, se a pessoa for umbandista será encaminhada ao terreiro para descarregar os miasmas dos espíritos inferiores. A mediunidade desequilibrara ou em desenvolvimento pode causar depressão. A mediunidade é um dom de se comunicar com os espíritos inerente a todas as pessoas em maior ou menor grau. No entanto, algumas pessoas manifestam esse dom de forma ostensiva com sintomas diferentes e estranhos. Deve ser encaminhada a uma causa espírita e, através, de palestras educativas, passes, conhecer os mecanismos da mediunidade. É um dom a mais para o ser humano ajudar a si mesmo e aos outros.
Por que esses espíritos encostam no ser humano? Pode ser que este esteja predisposto por conta do estress, da ansiedade, a falta de fé em si mesmo. A pessoa fica um alvo fácil para esses espíritos negativos. Ou é um resgate de vidas passadas.Aquele espírito encarnado que prejudica o deprimido na vida atual pode ter sido prejudicado por ele na vida passada. Mesmo assim, Deus não quer o mal e nem o sofrimento de ninguém.O que importa é o momento presente. Construa um alicerce emocional e espiritual forte para enfrentar a realidade do dia a dia. O otimismo, o trabalho e a fé podem ser as vacinas que nos imunizam contra ataques espirituais. Afastar o espírito com preces, tratamentos espirituais de desobsessão ajudam na cura do problema. No entanto, orai e vigiai sempre!As companhias espirituais são atraídas por nossos pensamentos. Cada um tem a companhia espiritual que merece ou que atraiu. Cuide da sua vida espiritual! Cuidar da vida espiritual não é somente ir ao templo, culto ou casa espírita ,mas trabalhar para o autoaprimoramento. Agregar energias positivas através de boas atitudes. Ser uma pessoa grata para com a vida.
Uma frase sábia: “Se quer afastar os maus espíritos atraia os bons!”.
Não tente reagir sozinho e não se preocupe com os pensamentos negativos que são muitos durante o processo depressivo. Fazem parte da doença e com o tratamento espiritual e físico eles tendem a desaparecer.
Solicite a companhia dos familiares e dos amigos. Evite ficar trancado em casa ruminando a doença. Respeite os limites da depressão, mas saiba que a melhora e a cura também dependem muito de você.
Luiz Carlos Barros Costa (Fernandópolis/SP) é  membro da Rede Amigo Espírita, é Delegado Regional de Polícia aposentado,Vice Presidente e Diretor de Doutrina da Associação Espírita “Missionários da Luz", Presidente da Use Intermunicipal Espírita de Fernandópolis - SP, Professor do Curso de Direito na Unicastelo : Universidade Camilo Castelo Branco de Fernandópolis - SP, Divulgador e Expositor da Doutrina Espírita.

AUTISMO – UMA ANALISE PROFUNDA A LUZ DO ESPIRITISMO



Esse artigo trás como intento afastar as más interpretações e desinformações sobre o autismo e  tentar o entender sob a ótica espírita, sob esse prisma é necessário entendermos que   a palavra “autismo” deriva do grego “autos”, que significa :  “voltar-se para sí mesmo”.

O autismo é um distúrbio do  desenvolvimento humano que vem sendo estudado pela ciência há quase seis décadas, o precursor  de seus estudos foi Léo Kanner[1] (1943) o qual pesquisou o  primeiro vários casos e lançou o livro : "Autistic disturbances of affective contact",[2] onde descreveu os casos de onze crianças que tinham em comum : "um isolamento extremo desde o início da vida e um desejo obsessivo pela preservação da mesmice"[i], denominando-as de "autistas"

É bom salientar de que embora só em 1943 tenha se publicado as  pesquisas, ao longo da história  sempre houve crianças autistas, Kanner  começou a interessar-se  nesses casos específicos  quando ingressou na psiquiatria infantil : “ Desde  1938 têm chamado a minha atenção algumas crianças cujas condições diferem de forma marcante e tão específica de qualquer coisa até agora registrada que creio que cada caso merece, e eu espero que eventualmente receba , uma apreciação detalhada de suas fascinantes peculiaridades [...]”.(KANNNER. 1943.p.217)

Alguns podem questionar  de como reconhecemos uma criança autista  em resumo podemos afirmar  que é o autismo é   síndrome[3]definida por alterações presentes desde  idades muito precoces, tipicamente antes dos três anos de idade, e que se caracteriza sempre por desvios qualitativos na comunicação, na interação social e no uso da imaginação. Sob esse prisma Lorna Wing e Judith Gould em seu estudo realizado em 1979[4] caracterizaram estes três desvios, que ao aparecerem juntos caracterizam o autismo, denominam  de “Tríade”. A Tríade é responsável por um padrão de comportamento restrito e repetitivo, mas com condições de inteligência que podem variar do retardo mental a níveis acima da média.

As autoras usaram o termo “espectro autista[5] para permitir uma definição mais abrangente da perturbação, uma vez que constataram que algumas das crianças observadas não se integravam totalmente na caraterização efetuada por Kanner.
  […] É esta tríade que define o que é comum a todas elas, consistindo em  dificuldades em três áreas do desenvolvimento mas nenhuma dessas áreas,  isoladamente e por si só, se pode assumir como reveladora de “autismo”. É a  tríade, no seu conjunto, que indica se a criança estará, ou não, a seguir um  padrão de desenvolvimento anómalo […]  (Wing & Gould, 1979, p.17)

Em resumo o espectro nos abre um leque enorme de tipos de autistas, sendo o mais severo o autista denominado no CID 10[6] como  “Transtorno Global de Desenvolvimento”   onde é classificado (F84.0) , ou pelo DSM 5. [7]  o qual classifica como leve[8] ou  moderado e severo[9] os : “ Transtornos Invasivos do Desenvolvimento” e  no meio desses espectro destacamos os  que tem a “síndrome de Asperger” a qual diferencia-se do autismo clássico por não comportar nenhum atraso ou retardo global no desenvolvimento cognitivo ou da linguagem do indivíduo.

O termo “Síndrome de Asperger” foi utilizado pela primeira vez por Lorna Wing em 1981 em um jornal médico, que pretendia desta forma homenagear Hans Asperger[10], cujo trabalho não foi reconhecido internacionalmente até a década de 1990. A síndrome foi reconhecida pela primeira vez no DSM, na 4º edição em 1994 (DSM-IV)[11]

Ao contrário dos autistas “clássicos”, que normalmente estão ausentes e desinteressados do mundo que os rodeia, muitos “aspies” (apelido dado aos que sofrem da síndrome) querem ser sociáveis e gostam do contato humano. Têm no entanto dificuldade em perceber sinais não-verbais, incluindo os sentimentos traduzidos em expressões faciais, o que levanta problemas em criar e manter relações com pessoas que não percebem esta dificuldade.

Conforme Bryson e col. em seu estudo conduzido no Canadá em 1988, em cada mil crianças nascidas uma teria autismo; Segundo a mesma fonte, o autismo seria Três vezes mais frequente em pessoas do sexo masculino do sexo feminino, e incide igualmente em famílias de diferentes raças,  credos ou classes sociais. [12]

Muitos cientistas e pesquisadores procuram sua causa, e ainda não chegaram a um denominador comum, hoje com os avanços da neurociência e do conhecimento sobre o genoma humano, tem-se avançado pelo campo das consequências mas não das causas propriamente ditas, a exemplo podemos citar  de que nesse campo de investigação os  pesquisadores convergem na afirmativa de que  o autismo tem sua causa esta na formação do cérebro quando a criança ainda é um feto;   ou seja quando dá-se inicio na formação do cérebro... Ali ocorre algo; uma excentricidade.

Em média, os autistas têm 67% mais neurônios do que as outras crianças no córtex pré-frontal, além disso, a massa do cérebro também mostrou uma grande diferença; segundo os dados obtidos, o cérebro dos autistas é 17,6% mais pesado que a média geral.

Estudos de James Sikela[13]  e colaboradores  através de pesquisas da Universidade  do Colorado,  descobriam  correlação entre um alto numero de copias de um gene numa certa região do DNA humano e o desenvolvimento do cérebro, acarretando autismo e esquizofrenia. Conforme Sikela em uma região instável do genoma 1q21.1 concentra-se um numero alto de cópias de um gene chamado : DUF1220; Essa  variação  do numero de copias do genoma 1q21.1 , no autismo e na esquizofrenia, se encaixa  na ideia de que os indivíduos com essas doenças  são os que  o mecanismo humano permitiu a geração de mais copias do gene DFU1220.

James Watson[14] lança a hipótese de que existe uma correlação entre autismo, esquizofrenia e inteligência, sua hipótese  surgiu depois que sequenciou  o genoma humano, o que levou a descoberta  de que tinha mutações  em genes ligados  ao reparo do DNA  :
BRCA 1 e BRCA2  que atuam corrigindo danos causados  durante a replicação  do DNA.
As correções segundo Watson acabam por exceder ou não atingir  o numero de genes defeituosos.[15]

“Desse modo as pessoas com essas mutações tendem a ter  filhos  especiais”.[16]
Adentrando á ótica espírita, podemos perguntar, por que nasceriam crianças assim, encontraremos entre diversas respostas na codificação a questão 373 do Livro dos espíritos [ii]P: Qual será o mérito da existência de seres que, como os cretinos e os idiotas, não podendo fazer o bem nem o mal, se acham incapacitados de progredir?

R: “É uma expiação decorrente do abuso que fizeram de certas faculdades. É um estacionamento temporário.” E complementa no item “a” da mesma questão:
P:  Pode assim o corpo de um idiota conter um Espírito que tenha animado um homem de gênio em precedente existência?”

“ R: Certo. O gênio se torna por vezes um flagelo, quando dele abusa o homem”
Na questão 374 mostra-nos a consciência do espírito:  “P: Na condição de Espírito livre, tem o idiota consciência do seu estado mental?
 R: “Frequentemente tem. Compreende que as cadeias que lhe obstam ao voo são prova e expiação.”

E nos brinda com a 375 item “a” : P:  Então, o desorganizado é sempre o corpo e não o Espírito?”

 R:“Exatamente; mas, convém não perder de vista que, assim como o Espírito atua sobre a matéria, também esta reage sobre ele, dentro de certos limites, e que pode acontecer impressionar-se o Espírito temporariamente com a alteração dos órgãos pelos quais se manifesta e recebe as impressões. Pode mesmo suceder que, com a continuação, durando longo tempo a loucura, a repetição dos mesmos atos acabe por exercer sobre o Espírito uma influência, de que ele não se libertará senão depois de se haver libertado de toda impressão material”

O corpo humano está subordinado às informações ou ordens dos genes, desde que há, em verdade, um “Poder Inteligente” que orienta a formação do DNA e permite repará-lo quando necessário. Logo após a fecundação, a entidade reencarnante, de acordo com sua sintonia evolutiva, grava o seu código cifrado vibratório na matéria, atuando sobre o DNA.

Portanto, todas as transformações físicas, químicas, orgânicas, biológicas, de todas as células são orientadas e dirigidas pelo espírito que preside a tudo, funcionando o corpo como um grande computador biológico.

A doutrina espírita ensina que somos mentores do nosso próprio destino (o acaso não existe). Quando nascemos com alguma deformidade, em verdade a mesma já existia antes em espírito, porque a criamos dentro de nós, em determinada vivência física. Sob esse prisma entendemos que o espírito é responsável por tudo que pensa e faz, subordinado à Lei de Causa e Efeito. Se tivermos algo a expiar, a distonia arquivada, em nosso períspirito, propiciará a escolha compatível ao novo encarne.

Conforme Bezerra de Menezes, o Autismo, assim como também todos os processos de limitações e doenças psíquicas e/ou mentais, é um resgate para espíritos que em suas encarnações passadas tiveram "poder" de influencia, decisão, liderança, ideológico ou coisas assim e que não utilizaram aquele "dom" em um objetivo útil ao próximo, abusando de sua influencia e muitas vezes se aproveitando de tudo o que podia fazer para ganho próprio.

" [...] Espíritos  há  que  buscaram,  na  alienação  mental  através  do  autismo,  fugir  às  suas  vítimas  e  apagar  as  lembranças  que  os  acicatam,  produzindo  um  mundo  interior  agitado  ante  uma  exteriorização  apática,  quase  sem  vida.  O  modelador  biológico imprime, automaticamente, nas delicadas engrenagens do cérebro  e do sistema nervoso, o de que necessita para progredir: asas para  a  liberdade  ou  presídio  para  a  reeducação". (FRANCO.1988 )[iii]

Conforme o psicólogo Adenáuer de Novaes[17] em sua obra “Reencarnação[iv]: processo educativo”, o processo reencarnatório desses espíritos é muito complexo : “Há crianças que rejeitam tão fortemente a encarnação  atual, aos membros de sua família, ao ambiente em que retornaram, que se alheiam da realidade. Experimentam uma  rejeição muito grande à atual encarnação. O espírito prefere  permanecer vinculado ao passado, a algo distante e remoto que,  de alguma forma, lhe recompensa. Esses casos podem levar ao  autismo. [...] ” e complementa de modo sublime : “[...] O mutismo, a indiferença, a ausência quase que completa de emoções, geralmente têm suas raízes em   encarnações anteriores. A aceitação da atual existência seria  fundamental. O trabalho dos pais consiste, em princípio, em reconquistar o filho nessa condição.(NOVAES. Cap. Psicologia e  Reencarnação  P.84/85)

Analisando essas informações, podemos de  aqui destacar a frase do Dr. Jorge Andrea[18] :   “O mundo espiritual aqui e ali tem informado que a condição autista desde o nascimento seria o resultado da revolta do espírito diante a imposição reencarnatória; bem claro que, além disso, estarão presente reações como respostas de uma vida pretérita distoante.”[v]

O autismo até a presente data não tem cura, nos casos mais severos há a necessidade de auxilio psiquiátrico e tratamento com remédios, a doutrina espírita aconselha sempre manter o tratamento com os profissionais especializados, e em paralelo um tratamento a base de fluidoterapia. A água fluidificada é um recurso também dos mais interessantes, já que a própria espiritualidade tem a possibilidade de impregnar a água destinada a ser tomada após o passe, com vibrações adequadas para aquele paciente, como um medicamento que seja apropriado para aquele momento específico e para aquela situação específica do paciente.

“Com o tempo tem havido assimilação vibratória dessas energias benéficas, por mimetismo natural, e os interregnos, sem a  intoxicação  telepática  dos  adversários  desencarnados,  vêm  proporcionando -lhe  a  revitalização  mental,  destruindo as paredes do mundo íntimo para onde, apavorado, fugiu, desde quando a reencarnação o trouxe à infância carnal.”(Bezerra de Menezes – Loucura e Obsessão, cap. 7, pp. 83 e 84).

Os autistas de grau mais leve ou os Aspegers, podem também assistir as palestras, assimilando as informações e educando a alma.

A criança como ser humano é um ser aberto à mudança, deficiente ou não deficiente, pode modificar-se por efeitos da educação e, ao mudar a sua estrutura de informação, formação e transformação do envolvimento, pode adquirir novas possibilidades e novas capacidades.” ( Vitor da Fonseca. 1995)[vi]



[1] Leo Kanner ( 1894 - 1981) psiquiatra austríaco radicado nos Estados Unidos. Especializou por seu próprio esforço em psiquiatria pediátrica, tendo estudado por seus próprios meios.
[2]  Tradução : "Distúrbios autísticos do contato afetivo", publicado na revista Nervous Children (crianças nervosas)..
[3] Síndrome - s.f. (gr. Syndrome) Conjunto dos sintomas que caracterizam  uma doença.
[4] Lorna Wing e Judith Gould, efetuaram um estudo epidemiológico num bairro Londrino,  onde concluíram que as dificuldades que caraterizam o autismo podem ser relatadas segundo uma  “Tríade de Limitações” (Cumine et al., 2006, p. 9)
[5] Espectro autista, também referido por desordens do espectro autista (DEA, ou ASD em inglês) ou  inda condições do espectro autista (CEA, ou ASC em inglês), é um espectro de condições psicológicas  caracterizado por anormalidades generalizadas de interação social e de comunicação, e por gama de interesses muito restrita e comportamento altamente repetitivo.
[6]  CID = Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde 
[7]  DSM= Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais.
[8] Transtorno invasivo do desenvolvimento não-especificado TID ou TEA = Transtorno do Espectro Autista.,  CID 10 = F84.1 Autismo atípico
[9] Autismo Clássico
[10] Hans Asperger  (1906-1980): médico pediatra austríaco formado na Universidade de Viena.
[11] Asperger tinha especial interesse em crianças "fisicamente anormais". Submeteu em 1943, o artigo Die 'Autistischen Psychopathen' im Kindesalter (A psicopatia autista na infância), à revista científica Archiv fur psychiatrie und Nervenkrankheiten, que o publicou no ano seguinte, no seu número 117, páginas 76-136. Seu trabalho baseou-se em estudos que envolveram mais de 400 crianças.
[12] Informações coletadas  no site da ASA -  Autism Society of America  (www.autism-society.org).
[13] James Sikela: Professor Do departamento de bioquímica e genética molecular  da Universidade do Colorado (escola de medicina).
[14] James Dewey Watson: Biólogo molecular e geneticista; Premio Nobel e um dos descobridores da estrutura do DNA.
[15] Watson apresentou sua tese durante o 74º Simpósio de Cold Spring Harbor sobre Biologia Quantitativa, organizado pelo laboratório do qual ele era chanceler.
[16] Reportagem publicada na Folha Online em 03/06/2009 - "Autismo é o preço da inteligência, diz descobridor da estrutura do DNA" disponível em  : http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2009/06/575851-autismo-e-o-pre... (pagina visitada em 07/02/2014)
[17]  Adenáuer  M. F. de Novaes: psicólogo clínico, escritor e orador espírita, fundador e diretor da Fundação Lar Harmonia, na cidade de Salvador.

[18] Jorge Andrea dos Santos, Nascido em 1916, em mais de meio século cruzou o país de Norte a Sul, fazendo palestras  divulgando o espiritismo em seu aspecto cientifico.