#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Como ajudar quem tem depressão?

depressão
KARDEC RIO PRETO | Silvia Helena Visnadi Pessenda
O que é a depressão? Quais são os seus sintomas? Que fatores podem desencadeá-la? Quem são os indivíduos mais propensos a sofrerem de depressão? Quais os tratamentos que o depressivo deve buscar? Como o Espiritismo, através de seus postulados e princípios, pode ajudar uma pessoa que não mais encontra sentido em sua própria vida? Pode o tratamento espiritual contribuir, igualmente, para a melhora do depressivo?
O que é a depressão
Segundo a Organização Mundial da Saúde, os últimos 25 anos do século passado caracterizaram-se por elevados índices de depressão e, em 2020, esta será a segunda moléstia que mais roubará tempo de vida útil da população, perdendo apenas para as doenças do coração.
Especialistas afirmam que existem mais pessoas sofrendo de depressão do que de qualquer outra enfermidade, porque ela está ocorrendo em todos os lugares: tanto nas áreas urbanas como nas rurais, tanto entre os executivos bem-sucedidos como entre os trabalhadores desempregados. Mas, para agravar a situação, muitas delas estão desconsiderando a importância dos tratamentos médico, psicológico e psiquiátrico.
Enfim, o que é a depressão?
Todos nós nos sentimos tristes, vez ou outra. Mesmo a pessoa mais alegre tem dias em que nada parece dar certo. E essa tristeza é perfeitamente natural; afinal, é uma reação normal aos problemas da vida cotidiana.
A depressão clínica – doença clássica na Psiquiatria, pois compromete tanto a mente como o físico do indivíduo – é um termo utilizado por profissionais para indicar uma condição muito mais severa que as reações normais de tristeza. Ela não é um “baixo astral” simples e passageiro, mas uma enfermidade caracterizada por marcantes alterações de humor, por uma longa e profunda tristeza e por um estado de desencorajamento, que afeta, negativamente, a maneira pela qual a pessoa vê e sente a própria realidade. Tudo lhe parece difícil, problemático e cansativo.
Quem nunca sofreu de depressão, quase sempre é incapaz de avaliar, corretamente, o sofrimento que acompanha essa doença. Ao contrário da crença popular, muitos deprimidos empenham-se, desesperadamente, para terem uma vida normal e “darem a volta por cima”, mas constatam que seus esforços nem sempre encontram o resultado desejado. Isso porque a depressão é uma doença que não se resolve apenas pela força de vontade.
Ninguém é depressivo por desejo próprio. Assim, ela não é resultado da má vontade da pessoa, nem sinal de fraqueza de caráter, como muitos ainda acreditam, tampouco consequência de comportamentos inconvenientes. Em diversos casos, a depressão pode ser considerada o último estágio da dor humana, porque sua angústia é verdadeiramente intensa e dramática.
Sintomas da depressão
Muitos são os seus sintomas. Obviamente, ninguém os apresenta todos ao mesmo tempo, porque o quadro sintomático varia de acordo com a personalidade do indivíduo. Mas, qualquer um que se sinta atingido por mais de cinco deles e por um período de tempo superior a duas semanas pode suspeitar da doença. A gravidade desses sinais também pode variar, porque existem as depressões leves, as moderadas e as graves. Todavia, para que ela possa ser detectada, é imprescindível a presença de pelo menos um dos dois principais sintomas, que são:
Tristeza ou humor deprimido – os intensos conflitos íntimos e/ou a sensação de vazio existencial fazem com que o depressivo se isole e se descuide afetivamente, evitando, assim, quem mais ama ou quem possa ajudá-lo. Porém, esse estado de afastamento o induz a repetidas crises de choro e de lamentações;

0 comentários:

Postar um comentário