#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

A Psicologia do Espírito.

                Resultado de imagem para terapia de vidas passadas
           Década de noventa, mais precisamente a partir de 1992, meus primeiros contato com a Psicologia Transpessoal e a Terapia A Vivências Passadas e a Programação Neurolinguística (PNL) foram através dos estimados professores   Maria Júlia Peres, Vera Saldanha, Leo Matos; posteriormente Tom Chung e Antonio Veiga. 
             Seus conhecimentos e ensinamentos abriram para mim especial porta em busca da verdade além das aparências. Um caminho que levava a novos encontros, novos questionamentos que por si só geravam novas buscas e infinitas oportunidades de encarar o mundo; por que como dizia Antonio Veiga: A Ciência sempre é uma eterna caminhada, nunca uma chegada.
              Rolo May no prefácio do seu livro: O homem à procura de si mesmo, diz: Uma das poucas alegrias da vida numa época de ansiedade é o fato de sermos forçados a tomar consciência de nós mesmos. A dolorosa insegurança que nos rodeia torna-se um incentivo a indagar: será que nos passou desapercebido algum importante manancial de força e orientação?
             Essa luta é a redescoberta do Self, do Eu, do deus interior.
          Uma literatura riquíssima me foi apresentada, e, avidamente eu devorava livros e livros que me enriqueciam e fortaleciam meus propósitos em busca de mim mesma e da conexão com meu Deus.
           De tudo que lia me dava a mais límpida certeza de que o Homem é um ser divino e que além do corpo físico um mundo de energias e dimensões diversas nos conectam ao sagrado e a origem de tudo. Esta certeza me completava e assegurava uma serenidade interior capaz de ultrapassar obstáculos, vencer os mais temidos desafios e assegurar vida plena e simples.
          Posteriormente encontrei uma nova linfa de conhecimentos. Foi com uma felicidade pueril e maravilhosa ver estes conhecimentos serem oferecidos de forma simples, compreensível, acessível a todos os que se aventuram nesta busca valiosa do autoconhecimento.
           Desde Stalislav Grof em Além do Cérebro, A Aventura da Auto-descoberta, com as novas cartografias mentais, o deleite de aprender mais sobre o pensamento me fascinava. A visão psicológica de Joanna De Angelis aliando a Psicologia Humanística, Psicologia Transpessoal e a Psicologia Espírita dá um salto quântico neste autodescobrimento- nesta busca interior.
           Joanna nos diz: A experiência do auto-descobrimento faculta ao homem identificar os limites e as dependências, as aspirações verdadeiras e as falsas, os embustes do ego e as imposturas da ilusão. O homem é o que acalenta no íntimo.
           Porque se desconhece, vitimado por heranças ancestrais- de outras reencarnações-, de castrações domésticas, de fobias que prevalecem da infância, pela falta de amadurecimento psicológico e outros, o indivíduo permanece fragilizado, susceptível aos estímulos negativos, por falta de autoestima, do autorrespeito, dominado pelos complexos de inferioridade e pela timidez, refugiando-se na insegurança e padecendo aflições perfeitamente superáveis, que lhe cumpre ultrapassar mediante cuidadoso  programa de discernimento dos objetivos da vida e pelo empenho de vivenciá-la. Esta é a aventura do autodescobrimento inserida na Psicologia do Espírito.

Fontes:  1) Autodescobrimento -Joanna De Ângelis/Divaldo Franco. LEAL
2) Além do Cérebro e A Aventura da Autodescoberta- Stalislav Grof- Cultrix.
3) O Homem à procura de si mesmo- Rollo May- Vozes.
4) Maria Julia Prieto Peres e Antonio Veiga- apostilas Curso TVP.
fonte blog Katia Marabuco

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Atendimento fraterno na terça-feira 27/03/18 as 19;30hs.

Resultado de imagem para maos
Abertura com a prece do presidente: Antonio Rodrigues
Estudo do Livro; O Passe - Jacob Melo / Graça Brito.
Palestra / Evangelho e Psicologia / Ana Catharina Pessoa.
Limpeza Astral
Fluidificação das águas.
Tratamentos e cirurgias espirituais.
Desenvolvimento Mediúnico.
Psicografias.

Amar sem apego | Um recado para você!

amor
CORREIO ESPÍRITA | Marcus Vinicius de Azevedo Braga
Amar é bom… Fundamental como potencialidade humana e fonte de felicidade. Amar é a Lei, dito por Jesus no “amai-vos uns aos outros” e reforçado por Kardec no “Fora da caridade…” O amor é a força que alimenta o universo, que nos faz mais, que nos permite acreditar no melhor.
Mas é preciso saber amar. Independente das formas de amor, aquela mais individualizada do amor romântico, ou aquela mais universalizante, mais fraternal do chamado ágape, o amor, em todos os momentos da vida, da infância à melhor idade, necessita se precaver de um outro fator de deterioração: o apego.
Parece contraditório que o amor, pautado na união, na vontade de se estar junto e se querer o bem, possa ser desvirtuado pela questão do excesso de aproximação. O apego transita pela dependência, descambando para o ciúme e para a dominação, fazendo do amor as vezes uma fixação, descolada da realidade. Contamina o amor por torná-lo algo escravizante, o que rompe a visão emancipatória deste sentimento.
Muitos crimes que estampam páginas policiais derivam de um amor dominado pelo apego. Muita dor e sofrimento se faz em nome desse amor.
amor
O amor verdadeiro é saudável, produtivo, traz o bem, em todos os sentidos. É libertador! Quem ama não mata! O amor nos faz não precisar dos outros de forma inconteste, mas sim nos sentirmos fortes justamente por amarmos. O amor nos faz humanos e ainda, nos permite ver a essência humana em cada espírito encarnado, nos ligando por uma tênue energia de interdependência, que é algo muito maior que a dependência.
Não digo que é fácil amar com desapego. É um desafio… A morte, o afastamento compulsório, a doença… São provas que nos levam a experimentar em que medida nosso amor está apartado do apego. Não reputo como simples ser desapegado, amando, mas percebo ser um objetivo a trilhar, para que possamos nos libertar das amarras, transcendendo as questões transitórias da posse.
Como amar uma pessoa sem amar o mundo? Como amar o mundo sem ter amado uma pessoa? Amar é um estado íntimo que modifica a nossa visão da existência, nos motiva a sacrifícios, nos fazendo avançar no sentido espiritual. Distantes estamos, nesse planetinha de provas e expiações, de saber o real sentido dessa palavra, mas certamente sua essência não se liga ao apego, ao medo da perda e do abandono.
Como dizia Paulo de Tarso, na Primeira Epístola aos Coríntos: “O Amor é paciente, é benigno; o Amor não é invejoso, não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal, não folga com a injustiça, mas folga com a verdade. Tudo tolera, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. O Amor nunca falha”. Palavras que devemos trazer no coração quando abandonados, livre ou compulsoriamente, pelo amor das nossas vidas, mas que devemos lembrar também quando experimentamos a plenitude do amar, recordando da natureza real desse sentimento.
amor
CORREIO ESPÍRITA | Marcus Vinicius de Azevedo Braga
Amar é bom… Fundamental como potencialidade humana e fonte de felicidade. Amar é a Lei, dito por Jesus no “amai-vos uns aos outros” e reforçado por Kardec no “Fora da caridade…” O amor é a força que alimenta o universo, que nos faz mais, que nos permite acreditar no melhor.
Mas é preciso saber amar. Independente das formas de amor, aquela mais individualizada do amor romântico, ou aquela mais universalizante, mais fraternal do chamado ágape, o amor, em todos os momentos da vida, da infância à melhor idade, necessita se precaver de um outro fator de deterioração: o apego.
Parece contraditório que o amor, pautado na união, na vontade de se estar junto e se querer o bem, possa ser desvirtuado pela questão do excesso de aproximação. O apego transita pela dependência, descambando para o ciúme e para a dominação, fazendo do amor as vezes uma fixação, descolada da realidade. Contamina o amor por torná-lo algo escravizante, o que rompe a visão emancipatória deste sentimento.
Muitos crimes que estampam páginas policiais derivam de um amor dominado pelo apego. Muita dor e sofrimento se faz em nome desse amor.
O amor verdadeiro é saudável, produtivo, traz o bem, em todos os sentidos. É libertador! Quem ama não mata! O amor nos faz não precisar dos outros de forma inconteste, mas sim nos sentirmos fortes justamente por amarmos. O amor nos faz humanos e ainda, nos permite ver a essência humana em cada espírito encarnado, nos ligando por uma tênue energia de interdependência, que é algo muito maior que a dependência.
Não digo que é fácil amar com desapego. É um desafio… A morte, o afastamento compulsório, a doença… São provas que nos levam a experimentar em que medida nosso amor está apartado do apego. Não reputo como simples ser desapegado, amando, mas percebo ser um objetivo a trilhar, para que possamos nos libertar das amarras, transcendendo as questões transitórias da posse.
Como amar uma pessoa sem amar o mundo? Como amar o mundo sem ter amado uma pessoa? Amar é um estado íntimo que modifica a nossa visão da existência, nos motiva a sacrifícios, nos fazendo avançar no sentido espiritual. Distantes estamos, nesse planetinha de provas e expiações, de saber o real sentido dessa palavra, mas certamente sua essência não se liga ao apego, ao medo da perda e do abandono.
Como dizia Paulo de Tarso, na Primeira Epístola aos Coríntos: “O Amor é paciente, é benigno; o Amor não é invejoso, não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal, não folga com a injustiça, mas folga com a verdade. Tudo tolera, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. O Amor nunca falha”. Palavras que devemos trazer no coração quando abandonados, livre ou compulsoriamente, pelo amor das nossas vidas, mas que devemos lembrar também quando experimentamos a plenitude do amar, recordando da natureza real desse sentimento.
Apegados ao objeto do amor, não permitimos que ele cresça, que ele se torne ele. Mas, ao mesmo tempo, o afastamento, a distância não faz bem ao amor. Tênue equilíbrio entre se estar junto e se permitir que o outro cresça me parece ser um dos fundamentos do amor sem apego. Um exercício constante, construído no cotidiano, de quem não se furta a essa maravilhosa experiência que é amar.
Concluímos com a fala do psicanalista Erich Fromm, espírito sensato, que ao escrever sua obra magistral, A Arte de amar, indica que o amor infantil segue o princípio: “Amo porque sou amado”, e o amor amadurecido se pauta pelo: “Sou amado porque amo”. Da mesma forma, o amor imaturo diz: “Amo-te porque necessito de ti”, e o amor maduro pensa: “Necessito de ti porque te amo”. Um amor maduro, que sobrevive as intempéries, busca, na medida do possível, se desapegar, sem estar longe. Pois sabe que o amor está ali, fora e dentro do seu coração.

Juiz recusa auxílio-moradia e ajuda a cuidar de praça pública

juiz cuidando de praça
RAZÕES PARA ACREDITAR
O auxílio-moradia dos funcionários do judiciário é polêmico e vem sendo bastante discutido, mas Celso Karsburg, um juiz de Santa Cruz do Sul – RS, já tomou sua decisão. Em 2014 ele recusou o auxílio-moradia, dizendo que a verba era imoral, indecente e antiética e, recentemente, ele foi fotografado cuidando da Praça pública Ernesto Frederico Söhnle, em Santa Cruz do Sul.
Pelo menos uma vez por semana ele sobe em um cortador de grama e apara a grama desta praça. Na semana passada um vizinho fez uma foto dele cuidando da praça e postou nas redes sociais, o que fez com que a imagem rapidamente viralizasse.
O juiz disse que a praça estava completamente abandonada e isso o incomodava muito, até que ele com a ajuda de alguns moradores do bairro decidiram “adotar” o espaço e dar vida nova, há 3 anos. Ele usa um trator que fica em um campo de futebol lá perto e costuma separar 2 horas de todas as sextas-feiras para cuidar do local. Além disso, com o auxílio da prefeitura, eles construíram uma calçada a plantaram algumas flores.
Uma notícia que faz a gente pensar no verdadeiro espírito de comunidade!

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Agenda Espírita Brasil entrevista Antonio Cesar Perri, ex-Presidente da FEB

No dia 28 de janeiro de 2017 a Agenda Espírita Brasil (AEB) entrevistou o ex-Presidente da Federação Espírita Brasileira (FEB), Antonio Cesar Perri de Carvalho, por ocasião de sua visita ao Centro Espírita Francisco Cândido Xavier em São José do Rio Preto, interior de SP.
Sempre cordial e acolhedor, Perri respondeu as seguintes perguntas.

AEBDentre as atividades que realizou quando estava à frente da FEB, qual delas considera mais marcante para o Movimento Espírita e por quê?
Cesar Perri:Consideramos importante o estímulo e a dinamização das atividades federativas com apoio do Conselho Federativo Nacional da FEB. Além de campanhas e documentos de trabalho gerados, com a participação coletiva, pelo CFN, destacamos os 150 anos de O Evangelho Segundo o Espiritismo. Para assinalar a marcante efeméride foram providenciadas várias publicações relacionados com o Evangelho, incluindo a edição especial desta própria obra de Allan Kardec, em parceria com as Entidades Federativas Estaduais; a edição bilíngue da 1ª edição desta obra; e a realização do 4º Congresso Espírita Brasileiro, em homenagem à citada Obra Básica, em abril de 2014. Aliás, este Congresso teve várias marcas de ineditismo: pela primeira vez houve a descentralização e a realização simultânea do Congresso em quatro regiões do país: Campo Grande, Vitória, Manaus e João Pessoa, facilitando a presença e aumentando o número de participantes das regiões; o programa e indicação de expositores foram planejados ouvindo-se as Entidades Federativas Estaduais, e, houve oportunidade para expositores das regiões; o valor da taxa de inscrição foi devolvido aos participantes com livros espíritas da FEB; e mesmo assim o Congresso foi autossustentável. Nas diversas regiões do país onde comparecemos e ouvimos referências gratificantes sobre os quatro congressos simultâneos homenageando O Evangelho Segundo o Espiritismo.
AEBCom a experiência de ter presidido a FEB, como procura conduzir hoje as suas atividades nas Casas Espíritas? Quais são os principais trabalhos a que se dedica e por quê?
Cesar Perri:Além de ter exercido a presidência da FEB – entre momentos de interinidade e de efetivo -, durante três anos, somos originários da base do movimento espírita, desde a mocidade e o centro espírita, órgãos de unificação, USE-SP, e o Conselho Espírita Internacional. Nossa visão após nos desligarmos da FEB, sintetiza os 53 anos de ações espíritas em várias instâncias, e hoje entendemos que se torna muito importante o atendimento dos centros espíritas em geral, principalmente, os menores e mais simples, com a valorização da diversidade de situações. Recomendamos como prioritários o atendimento dos aspectos humanísticos, espirituais e fraternos relacionados com o acolhimento, consolo, esclarecimento e orientação, para que os centros espíritas melhor atendam às suas finalidades no contexto em que atuam. Ou seja, a concretização prática do Capítulo “O Cristo Consolador”, de O Evangelho Segundo o Espiritismo.
AEBQual é a sua percepção sobre o Movimento Espírita nas diversas regiões do Brasil? Há diferenças significativas ou não?
Cesar Perri:O Brasil tem dimensões continentais e representa o amálgama de muitas tradições e culturas, advindas de correntes migratórias de diversos Continentes. Portanto, há muitas diferenças sociais, econômicas e culturais. Mas a diversidade de realidades é razão de uma riqueza de valores que devem ser respeitados. Por isso, admitimos claramente que não deva existir padronização de propostas e de programas. Devem existir convergência e valorização das Obras Básicas de Allan Kardec, com estímulo à sua difusão e estudo. Porém, com adequações à diversidade de condições dos públicos-alvo dos distintos contextos de atuação.
AEBQual é a sua percepção sobre o Movimento Espírita no Brasil e no mundo? Poderia citar, se pertinente, as similaridades e diferenças?
Cesar PerriAs condições de desenvolvimento do Movimento Espírita no Brasil são muito peculiares ao contexto sócio-econômico e cultural do país. Há diferenças com relação aos países da América Latina em geral, dos países do Hemisfério Norte, da África, do Extremo Oriente e da Oceania. O respeito à diversidade e às realidades em geral, é uma questão básica e da mais alta importância para as propostas de intercâmbio e apoio entre os países. Devem ser evitadas as comparações em geral e qualquer ideia de padronização de práticas. O ponto comum entre todos deve ser a difusão das Obras Básicas de Allan Kardec nos vários idiomas. Tem havido muitos esforços pessoais; mas, desde o ano de 1992, o trabalho do Conselho Espírita Internacional inclusive na disponibilização de livros em vários idiomas, e, há quase 40 anos o trabalho em parceria da Editora Mensaje Fraternal e do IDE, para a difusão dos livros em espanhol.
AEBEm sua percepção, que ações permitiriam a Agenda Espírita Brasil gerar contribuições úteis ao Movimento Espírita nacional, e até em outros países, em face aos problemas atuais da humanidade?
Cesar Perri:Nossa sugestão é que os problemas da atualidade sejam tratados com simplicidade, objetividade, fundamentados em base kardequiana e, sempre com foco na educação e, sem dúvida, na prevenção de problemas e de enganos. Lembrando Paulo de Tarso: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm” (1 Cor., 10:23); “Examinai tudo, retende o bem”  (1 Tess., 5:21).
 Conselho Editorial da Agenda Espírita Brasil

Protetores Terrestres

Resultado de imagem para protetores terrestres





Em nos reportando aos benfeitores celestiais, não nos esqueçamos dos protetores terrestres.
Muita gente espera, levianamente, a proteção dos anjos, quando ainda não sabe nem mesmo apreciar o esforço enobrecente dos homens de bem.
Sem dúvida, mais tarde, alcançaremos o paraíso…
Todavia, por agora, é preciso vencer os degraus que nos separam da glória divina.
Esses  degraus  jazem  colocados  à  disposição  dos  nossos  impulsos  de  melhoria,  de regeneração, de auto aprimoramento.
Aqui, permanece simbolizado num pai afetuoso, que nos convida ao altar da consciência reta; além,  é  um  coração  maternal,  que  nos  induz  à  bênção  da  sublimação  pelo  amor  e  pelo sacrifício…
Acolá, é um diretor de trabalho, aparentemente austero, que nos conclama, pelo exemplo, ao soerguimento de nossa dignidade pessoal no dever bem cumprido; mais além, é um amigo supostamente áspero, que nos compele ao desempenho das obrigações contraídas.
Subir ao Céu não representa caminhar sob chuvas de flores.
O trilho do  próprio  Cristo,  para  o  Alto,  terminou  na  cruz  que  lhe  antecipou  a imperecível ressurreição.
Não te imobilizes, desse modo, na oração ociosa ou na fé inoperante, acreditando que os Mensageiros  do  Amor  te  assinalem  as  rogativas  nascidas,  muitas  vezes,  do  propósito  de conforto prematuro ou de lamentável insubmissão.
Lembra-te de que as Leis do Senhor estão refletidas, tanto quanto nos permite a evolução já alcançada, nas leis humanas que os dirigem os movimentos, e aprendamos a reconhecer, nos lidadores do trabalho construtivo e nos missionários do bem, os respeitáveis instrutores que nos compete, não somente admirar, mas assimilar e seguir.
Recordemos que, na hierarquia real da vida, jamais inverteremos a ordem que nos rege os destinos.
Ouçamos  atenciosamente  os  benfeitores  terrestre,  a  fim  de  merecermos  contato  com  os orientadores celestiais.
Sem dever corretamente atendido, não há direito consolidado.
Sem criaturas de bem, não há bem para as criaturas.
O primeiro passo para a conquista do Céu, há de ser dado por nós, na Terra, e, por isso, antes de reclamar o socorro dos anjos, imitemos, cada dia, os grandes trabalhadores da prosperidade comum, que formam, na Humanidade, os padrões vivos do bem, na vanguarda do progresso e da luz.
Livro: Intervalos
Chico Xavier/Emmanuel

Uma mensagem do seu anjo da guarda para você!


Os anjos guardiões são embaixadores de Deus, mantendo acesa a chama da fé nos corações e auxiliando os enfraquecidos na luta terrestre.
Quais estrelas formosas, iluminam as noites das almas e atendem-lhes as necessidades com unção e devotamento inigualáveis.
Perseveram ao lado dos seus tutelados em toda circunstância, jamais se impacientando ou os abandonando, mesmo quando eles, em desequilíbrio, vociferam e atiram-se aos despenhadeiros da alucinação.
Vigilantes, utilizam-se de cada ensejo para instruir e educar, orientando com segurança na marcha de ascensão.
Envolvem os pupilos em ternura incomum, mas não anuem com seus erros, admoestando com severidade quando necessário, a fim de lhes criarem hábitos saudáveis e conduta moral correta.
São sábios e evoluídos, encontrando-se em perfeita sintonia com o pensamento divino, que buscam transmitir, de modo que as criaturas se integrem psiquicamente na harmonia geral que vige no Cosmo.
anjo da guarda
Trabalham infatigavelmente pelo Bem, no qual confiam com absoluta fidelidade, infundindo coragem àqueles que protegem, mantendo a assistência em qualquer circunstância, na glória ou no fracasso, nos momentos de elevação moral e naqueloutros de perturbação e vulgaridade.
Nunca censuram, porque a sua é a missão de edificar as almas no amor, preservando o livre-arbítrio de cada uma, levantando-as após a queda, e permanecendo leais até que alcancem a meta da sua evolução.
Os anjos guardiões são lições vivas de amor, que nunca se cansam, porquanto aplicam milênios do tempo terrestre auxiliando aqueles que lhes são confiados, sem se imporem nem lhes entorpecerem a liberdade de escolha.
Constituem a casta dos Espíritos Nobres que cooperam para o progresso da humanidade e da Terra, trabalhando com afinco para alcançar as metas que anelam.
Cada criatura, no mundo, encontra-se vinculada a um anjo guardião, em quem pode e deve buscar inspiração, auscultando-o e deixando-se por ele conduzir em nome da Consciência Cósmica.
Tem cuidado para que te não afastes psiquicamente do teu anjo guardião.
Ele jamais se aparta do seu protegido, mas este, por presunção ou ignorância, rompe os laços de ligação emocional e mental, debandando da rota libertadora.
Quando erres e experimentes a solidão, refaze o passo e busca-o pelo pensamento em oração, partindo de imediato para a ação edificante.
Quando alcances as cumeadas do êxito, recorda-o, feliz com o teu sucesso, no entanto preservando-te do orgulho, dos perigos das facilidades terrestres.
Na enfermidade, procura ouvi-lo interiormente sugerindo-te bom ânimo e equilíbrio.
Na saúde, mantém o intercâmbio, canalizando tuas forças para as atividades enobrecedoras.
Muitas vezes sentirás a tentação de desvairar, mudando de rumo. Mantém-te atento e supera a maléfica inspiração.
O teu anjo guardião não poderá impedir que os Espíritos perturbadores se acerquem de ti, especialmente se atraídos pelos teus pensamentos e atos, em razão do teu passado, ou invejando as tuas realizações… Todavia te induzirão ao amor, a fim de que te eleves e os ajudes, afastando-os do mal em que se comprazem.
O teu anjo guardião é o teu mestre e amigo mais próximo.
Imana-te a ele.
anjo da guarda
Entre eles, os anjos guardiões e Deus, encontra-se Jesus, o Guia perfeito da humanidade.
Medita nas Suas lições e busca seguir-Lhe as diretrizes, a fim de que o teu anjo guardião te conduza ao aprisco que Jesus levará ao Pai Amoroso.”
(Divaldo Pereira Franco. Da obra: Momentos Enriquecedores.
Ditado pelo Espírito Joanna de Angelis, Salvador, BA: LEAL, 1994.)
Oração ao meu Anjo Guardião
Por amor, eu venho em oração
Meu mentor, meu anjo da guarda irmão
Me conduza por caminhos estreitos
Me ajuda encontrar meu defeitos
Me intua para o lado do bem,
E da boa ação.
Minha fé, declaro nesta oração
Muita fé, meu anjo da guarda irmão
Me acompanhe pelas ruas escuras
Me aponte onde há água mais pura
Me responde quando eu perguntar,
sobre a minha razão.
Meu anjo, é longa a escalada
E nesta caminhada
Une você e eu
Vamos, redobrar esperanças
Essa perseverança
É aliança com Deus.
Protetor, segura na minha mão
Com amor, continuar a missão
Por momentos de rara beleza
Por momentos de plena certeza
Por momentos que se ouve bem
clara, a voz do coração
assim seja.
Jorge Cardellis

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Dispositivo fornece comida e água para animais de rua

animais de rua
G1
Uma ideia simples e criativa vem chamando atenção dos amantes dos animais de estimação em São José do Rio Preto (SP). Uma comerciante da cidade está alimentando animais de rua em comedouro feitos de cano de PVC. O sistema foi instalado na calçada da loja dela, mas agora está ganhando a internet.
Ela fotografou, colocou na rede social e em alguns dias as fotos viralizaram. Quem teve a ideia do comedouro e o bebedouro é a Wancleia Soares. Ela conta que ficava morrendo de dó dos cachorrinhos de rua que apareciam famintos em frente à loja dela.

“Nossa até meu coração acelerou quando vi o primeiro cachorro comendo no comedouro, fiquei muito feliz. É muito bom matar a fome de um animal, não tem coisa melhor nesse mundo e em Rio Preto tem muito cachorro e gatos abandonados, estou muito feliz que deu certo”, afirma.

A invenção não fez sucesso apenas entre os cachorrinhos não, fez sucesso também nas redes sociais. Ela postou as fotos pensando só em inspirar outras pessoas. Em três dias já são quase seis mil curtidas e mais de 31 mil compartilhamentos e o número não para de aumentar.
A Wancleia montou o comedouro de ração no balcão em frente à loja dela e com produtos simples, como tubo de PVC, cotovelo também de PVC e cola. “Nem em 15 minutos fica pronto, é muito rapidinho, peguei na internet o modelo. É muito fácil e até criança consegue fazer”, afirma Wancleia.
Wancleia Soares
Confira como fazer
>Cano PVC 100 milímetros de 80 centímetros
>Dois cotovelos de cano de PVC de 90º
>Tampa de PVC
>Cola
Como fazer: Colar os dois cotovelos na base do cano, formando uma base para a ração ou a água ficar. Depois de colocar o alimento, use a tampa para fechar o outro lado do cano.

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Quaresma na visão espírita

crucificação de jesus
FRATERNIDADE LUZ E FÉ | Eduardo Silveira
Jesus serve como base moral do espiritismo, e é comum que no período da Quaresma nos lembremos da paixão, crucificação, morte e ressurreição de nosso Mestre Maior.
A Quaresma inicia na Quarta-feira de Cinzas e termina no Domingo de Ramos, sem a inclusão dos domingos na contagem, totalizando quarenta dias, e representa o período que Jesus passou no deserto em meditação se preparando antes de começar sua vida pública.
Todo ser espiritual deve ter dentro de si um sentimento de religiosidade, e como as instituições espíritas não celebram datas iguais a outras religiões ou filosofias cristãs, respeita e aceita todas as manifestações.
A Páscoa é anterior a Jesus e representava a comemoração de duas festas muito antigas do povo judeu. Numa delas se comemorava a libertação do povo hebreu do cativeiro por Moisés, em torno de 1441 AC, e a outra, o início da colheita do trigo, agradecendo aos Céus a fartura da produção agrícola, que alimentava a família e propiciava as trocas de mercadorias, muito comum na época.
crucificação de jesus
Este período, pela interpretação das religiões e seitas tradicionais, acha-se envolta num preocupante e negativo contexto de culpa, tal qual o sofrimento de Jesus seria para nos salvar, para apagar todos os nossos erros e dos nossos ancestrais.
No período quaresmal é muito comum nos depararmos com pessoas cumprindo promessas, jejuando e fazendo penitências. Será que este período de quarenta dias seria suficiente para redimir os homens de todas as suas deficiências e erros?
Segundo afirmações contidas em “Livros dos Espíritos” – “… terá maior mérito perante Deus, aquele que aplica sua penitência em benefício de outrem…”, ou seja, pratica a caridade que, aliás, para nós que ainda somos espíritos imperfeitos, ser caridoso é uma grande penitência.
Jesus propõe que para alcançar a felicidade devemos nos abster dos vícios e praticar o amor e a caridade em toda a sua plenitude, combatendo sempre as deficiências morais e jejuando a maledicência, ironia, prepotência, hipocrisia, vaidade, ambição, egoísmo, orgulho e o ódio.
crucificação de jesus
O esforço contra as más tendências deve se estender todas as horas e dias de nossa vida, pois conforme Allan Kardec afirmou em “O Evangelho Segundo o Espiritismo” – “Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar as suas inclinações más.” (Cap. XVII, item 4).
Nós espíritas sabemos que nenhum ritual externo será capaz de apagar nossos erros perante a Lei Divina. Somente uma reflexão profunda de nossas atitudes, através do autoconhecimento, para auxiliar em nossa transformação moral, no esforço da prática da caridade em auxílio do próximo e na superação dos vícios e defeitos.

A caravana da fraternidade no Piaui

Resultado de imagem para caravana da fraternidade leopoldo machado

História

A Federação Espírita Piauiense surge como conseqüência natural do processo de unificação do movimento espírita brasileiro, estabelecido através do Pacto Áureo, acordo celebrado em 05 de outubro de 1949 na cidade do Rio de Janeiro entre a Federação Espírita Brasileira e outras entidades espíritas.
Por solicitação de Wantuil de Freitas, então presidente da FEB, Leopoldo Machado e outros colaboradores empreendem uma viagem às regiões Norte e Nordeste do Brasil, iniciada em outubro de 1950. Essa excursão, que ficou conhecida como a Caravana da Fraternidade, embora não tivesse caráter oficial, tinha claros propósitos de integrar as federativas estaduais em torno do Conselho Federativo Nacional.
Os registros históricos indicam que o Piauí possuía naquele período, apenas cinco instituições espíritas. Em Parnaíba, funcionavam o Centro Espírita Perseverança no Bem e o Centro Espírita Vida e Progresso. Na capital Teresina, existiam o Centro Espírita Bezerra de Menezes, o Centro Espírita Irmão Adriano e o Centro Espírita Piauiense, este último, transformado em 1931 a partir do Centro Espírita Amor e Caridade, surgido em 1927. No entanto, ainda não havia um ente de caráter federativo que congregasse todas aquelas casas espíritas.
Antes de iniciada a excursão, porém, Arthur Lins de Vasconcellos (PR), profundo idealista e batalhador pela unificação do movimento espírita brasileiro e que integrou a caravana desde a sua partida até a cidade de Recife (PE), já vinha se correspondendo com o presidente do Centro Espírita Piauiense, João Rodrigues Vieira, mais conhecido como Joca Vieira, que manifestava amplo apoio aos trabalhos de unificação e à FEB.
No Piauí, os caravaneiros chegam primeiro à cidade de Parnaíba, onde realizam visitas, fazem palestras e se reúnem com os trabalhadores espíritas. Em Teresina, no dia 27 de novembro de 1950, após uma palestra proferida por Leopoldo Machado no Centro Espírita Piauiense, realizam uma mesa-redonda, na qual os Centros Espíritas decidem fundar a Federação Espírita Piauiense, na época, abreviada como “F.E.P.”, transformada a partir do próprio Centro Espírita Piauiense. A iniciativa fora apoiada pelo movimento espírita de Parnaíba – o qual já havia manifestado sua vontade na passagem dos caravaneiros por lá.
No dia seguinte, antes da realização de nova palestra por Leopoldo Machado no Centro Espírita Piauiense, é lida a ata de fundação e empossada a primeira Diretoria da Federação, cuja presidência foi exercida por Joca Vieira até o ano de 1969.
Integravam a caravana que chegou ao nosso Estado, Leopoldo Machado (RJ), Francisco Spinelli (RS), Luiz Burgos Filho (PE) e Carlos Jordão da Silva (SP). Dentre os trabalhadores piauienses, ficaram registrados os nomes de Alarico da Cunha, presidente do Centro Espírita Perseverança no Bem, Francisco de Abreu, presidente do Centro Espírita Vida e Progresso e os nomes de Benedito Freire, Raimundo Belém e José Mourão, todos da cidade de Parnaíba. Da capital, ficaram registrados os nomes de Joca Vieira, do Desembargador Odorico Rosa, do Juiz de Direito Pedro de Morais Brito Conde e do Dr. Heli da Rocha Nunes e outros mais que assinaram a ata de fundação, como Raul Dantas Cunha, Cândido Pereira da Cunha, João Soares de Carvalho, Lindolfo Botelho Amarante, João da Rocha Marinho, José Almendra Freitas Filho, Antonio Pereira, Carlos Medeiros de Macedo e João Batista Pilar.
fonte site da fepi.