#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

domingo, 18 de fevereiro de 2018

A mediunidade de todo dia e de toda hora

A Providência Divina distribui, ininterruptamente, tudo o que é necessário para a manutenção e desenvolvimento da vida.
Desde a sustentação o Universo, até a atividade das micropartículas, o “Sopro Divino” conduz o Todo, em trabalho constante.
No livro Mecanismos da Mediunidade o Benfeitor Espiritual André Luiz, pelas mãos operosas de Chico Xavier, nos diz:
“Identificando o Fluido Elementar ou Hálito Divino por base mantenedora de todas as associações da forma nos domínios inumeráveis do Cosmo… interpretaremos o Universo como um todo de forças dinâmicas expressando o Pensamento do Criador. E superpondo-se-lhe à grandeza indevassável, encontraremos a matéria mental que nos é própria, em agitação constante, plasmando as criações temporárias, adstritas à nossa necessidade de progresso.
No macrocosmo e no microcosmo, tateamos as manifestações da Eterna Sabedoria que mobiliza agentes incontáveis para a estruturação de sistemas e formas, em variedade infinita de graus e fases, e entre o infinitamente pequeno e o infinitamente grande surge a inteligência humana, dotada igualmente da faculdade de mentalizar e cocriar, empalmando, para isso, os recursos intrínsecos à vida ambiente.
Nos fundamentos da Criação vibra o pensamento imensurável do Criador e sobre esse plasma divino vibra o pensamento mensurável da criatura, a constituir-se no vasto oceano de força mental em que os poderes do Espírito se manifestam”.
Podemos inferir, portanto, que todos somos “médiuns de Deus”, e o somos diuturnamente.
E quando o seremos deliberada e ostensivamente? – Quando agirmos no mesmo sentido do Criador.
Como, em definição última, Deus é Amor, e só se expressa por amor, somando uma coisa com a outra, seremos médiuns, ou se preferirmos, intermediários diretos de Deus todas as vezes que produzirmos, de boa vontade e sem segundas intenções, resultados que o Amor produz como, por exemplo:
Doando e nosso tempo aos que convivem conosco;
Cedendo nossos ouvidos aos que necessitam de um desabafo;
Calando críticas e cobranças, substituindo-as por esclarecimentos e incentivos à melhora;
Intermediando benefícios materiais que possam minorar os padecimentos alheios;
Acolhendo através de abraços fraternos e acolhedores;
Espalhando o conhecimento libertador segundo o que portamos.
Enfim, são infinitas as possibilidades de intermediarmos a Providência Divina, estando todas elas às nossas disposições, onde e como nos encontremos. Basta que optemos pela ação do bem, vencendo as barreiras íntimas sustentadas pelo orgulho e pelo egoísmo, para que o Amor Divino que nos envolve e sustenta não seja estancado e, sim, se transforme em um fluxo contínuo renovando o mundo a partir de nós mesmos.
Pensemos nisso.
Antonio Carlos Navarro

0 comentários:

Postar um comentário