#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Esquecimento do Passado





Enquanto muitas doutrinas filosófico-religiosas apregoam a unicidade das existências, o Espiritismo fundamenta seu pensamento na reencarnação, renascimento do espírito (princípio inteligente) em diversos corpos físicos (instrumentos evolutivos), visando o progresso da alma.
Metaforicamente, podemos dizer que o espírito é o aluno que a cada ano escolar (encarnação) toma para si um uniforme (corpo físico), com objetivo de instruir-se e ser aprovado no curso (da vida carnal) até que chegue à formatura (perfeição espiritual).
Mas, ainda que existam obras científicas que comprovem a reencarnação, com o esquecimento dos múltiplos renascimentos, inevitavelmente, escuta-se a seguinte indagação: “como posso ter vivido antes se não recordo?”, ou ainda: “como posso ser punido pelo que não sei que fiz?”.
Tais perguntas não justificam a unicidade das existências, e o esquecimento nunca foi desculpa para deixar de ressarcir débitos. A lógica elucida que a lembrança de certos atos pode impedir a transformação, dificultar a modificação moral e complicar o progresso espiritual, por isso existe e é restrita à vida carnal – sim, os espíritos recordam quem foram e o que fizeram!
Em “O Livro dos Espíritos”, na questão 393, Allan Kardec comenta que olvidar o passado não impede saber o que precisa ser corrigido na conduta material e moral do ser humano:
“Se não temos, durante a vida corpórea, uma lembrança precisa daquilo que fomos, e do que fizemos de bem ou de mal em nossas existências anteriores, temos, entretanto, a sua intuição. E as nossas tendências instintivas são uma reminiscência do nosso passado, as quais a nossa consciência, — que representa o desejo por nós concebido de não mais cometer as mesmas faltas — adverte que devemos resistir.” (grifo nosso)
Exatamente isso! Uma memória clara dos fatos poderia dificultar, talvez até impedir a correção da conduta e o perdão mútuo, mas a intuição e as tendências instintivas trazem à tona a verdade: naquilo em que a alma treme e tem dificuldade de resistir é onde já errou e precisa melhorar.
Muitos buscam saber como Deus pode ser justo e bom com tantas mazelas existentes no mundo. A resposta, sem sombra de dúvida, passa pela reencarnação. O esquecimento, nesse contexto, é generosidade dele para com todos e fruto da sua misericórdia.
Vania Mugnato De Vasconcelos
Nota do Editor:
Imagem em destaque obtida no site <http://uniaoinfantil.blogspot.com.br/2011/03/justica-da-reencarnacao-familia-vamos.html>. Acesso em 13ABR2018.

0 comentários:

Postar um comentário