#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

domingo, 27 de maio de 2018

A melhor proteção

O bairro sofria uma onda de assaltos. Os marginais invadiam estabelecimentos comerciais em plena luz do dia, empunhando armas de fogo. Providências estavam sendo tomadas pelas autoridades, mas a violência campeava, semeando o medo. Na pequena farmácia de Ronaldo, um amigo, Jacinto, comentava:
– É preciso maior severidade nas leis. Sou amplamente favorável à pena de morte. Se eliminarmos esses facínoras sanearemos a sociedade.
O farmacêutico pensava diferente.
– Não me parece que semelhante iniciativa traria algum benefício. Países que adotaram a pena máxima não registraram redução de crimes. O criminoso nunca cogita da possibilidade de ser punido.
– De qualquer maneira, cada marginal eliminado será uma ameaça a menos.
– Engano seu. A Doutrina Espírita nos explica que o criminoso não perde a agressividade com a morte física e tende a envolver indivíduos que cultivam a mesma tendência, em processos obsessivos que ampliam a violência.
– A esse respeito não posso dizer nada. O que sei é que transformei minha casa numa fortaleza. Se alguém atrever-se a ameaçar meus patrimônios será recebido à bala!
– Admito que é necessário tomar precauções. Todavia, tanto quanto possível, deixemos as providências policiais para os órgãos competentes. Enfrentar esses nossos irmãos com suas próprias armas em nossos lares é descer à barbárie.
– Então, o que fazer? Permanecer de braços cruzados, à espera que nos espoliem e matem?
– Absolutamente! Penso que a iniciativa mais importante deve ser nossa. É preciso que a sociedade se mobilize para o auxilio às pessoas carentes. O transbordamento da miséria na periferia derrama-se em ondas de violência sobre a cidade. Panelas vazias são más conselheiras. De certa forma estamos todos pagando pelo nosso egoísmo. Crianças famintas, sem orientação, sem instrução, que ali vivem, são potencialmente, os assaltantes de amanhã. Se cada família de classe média se dispusesse a ajudar um menor, encaminhando-o na vida, favorecendo-lhe, particularmente, o acesso à educação, o problema estaria a caminho de ser resolvido.
– E enquanto isso não acontece?
– Recusemos usar a violência em defesa própria, conscientes de que, fatalmente, gerará problemas para o nosso futuro. Ela é sempre comprometedora.
– E a nossa defesa?
– Confiemos em Deus.
Como se estas últimas palavras fossem a deixa para dramática entrada em cena de novo personagem, um jovem invadiu a farmácia de revólver em punho, e foi logo anunciando:
– É um assalto! Quietos ou morrem!
Sentindo-se dominado por incontrolável indignação, Jacinto pensou em atracar-se com o intruso. Ronaldo adiantou-se:
– Não pretendemos reagir, meu irmão. Peço-lhe, em nome de Deus, que mantenha a calma.
Observando o assaltante, pouco mais que um menino, notou que a arma tremia em suas mãos. Ele estava, excessivamente, nervoso e qualquer gesto brusco, que representasse uma ameaça, o levaria a atirar. Acima de qualquer temor, sentia imensa piedade. Ali estava um infeliz, que optara pela solução aparentemente mais fácil para seus problemas de subsistência, mas que lhe cobraria pesado tributo de sofrimento e desequilíbrios.
E enquanto abria a caixa registradora, confiava-se à oração, pedindo aos bons Espíritos que neutralizassem eventuais acessos de agressividade, tanto do amigo quanto do assaltante. Este, como que possuído por incoercível força que lhe agitava os refolhos da consciência, fez-se muito pálido. Aturdido, balbuciou:
– Fique tranquilo, moço. Não vou levar nenhum dinheiro. Gostaria apenas que me desse um comprimido para dor de cabeça.
Após receber o remédio, saiu apressado, enquanto Jacinto suspirava aliviado e dizia, sorridente:
– Foi fantástico, Ronaldo! Que mágica você usou? Nunca vi nada igual! Quer trabalhar de vigia em minha casa?
Richard Simonetti

Só caramujo leva a casa nas costas

Aprendemos no Espiritismo o desapego aos bens materiais, em contraste com outras religiões, que promovem o apego, fazendo cultos que prometem o progresso material e financeiro.
Na realidade, o dinheiro é neutro. O uso que se faz dele é que determina sua qualidade boa ou má; ou melhor, determina a qualidade de seu possuidor.
Nada há de errado na pessoa desejar o progresso financeiro e até querer enriquecer, desde que o uso que faça do dinheiro seja proveitoso não somente para si, como também para o semelhante. Não deixar o egoísmo apoderar-se, mas saber usar a matemática de Jesus, ou seja: dedicação + doação = caridade.
Não se pode servir a Deus e às riquezas. Qual a verdadeira interpretação desta frase?
Jesus não condena a riqueza, mas sua frase é interpretada como condenação. Ele pediu ao moço que deixasse seus bens aos pobres e depois o seguisse, mostrando que o desapego é necessário para a prática da caridade. O apego é incompatível com a doação; o egoísmo é incompatível com a caridade. Na realidade Jesus não pediu ao moço que se desfizesse de seus bens, mas que se desapegasse do dinheiro. Ninguém pode ser caridoso se o apego aos bens materiais for grande, porque o egoísmo falará mais alto. Como diz Allan Kardec, se a riqueza fosse meio de perdição, Deus teria colocado no mundo a condenação de todos nós. Dessa forma, o dinheiro não é incompatível com o progresso espiritual. Devemos saber trabalhar em nós mesmos o desapego, porque nossas boas obras é o que realmente levaremos para o outro lado da vida. E o dinheiro é um poderoso facilitador.
O Catolicismo exige de seus religiosos voto de pobreza, dentre outros, para chegar a Deus. É uma forma de praticar o desapego, porém não voluntária.
O que levamos para o outro lado é apenas o nosso melhoramento espiritual através da reforma íntima que fizermos.
Só o caramujo leva a casa nas costas, porque, provavelmente, já a tem em seu períspirito. Nós temos que nos esforçar para fazer os reajustes necessários em nosso caráter.
Conversando com uma psicóloga espírita que viveu com monges do Tibet, ela nos disse que crescimento espiritual verdadeiro não é a caridade que se pratica, mas a melhoria interior que se conquista. A caridade vem do amor, da piedade para com o semelhante, porém, quando se tem de sobra sem que se faça falta, o desapego, se assim pode ser chamado, é muito fácil. Desapegar-se do necessário é tarefa difícil, pois exige renúncia.
Podemos desfrutar dos bens materiais, não permitindo, porém, que eles se tornem a única razão da nossa vida, o “deus” dinheiro que escraviza.
Podemos ajudar as pessoas de muitas formas e ajudar a nós mesmos colocando limites em nossas ambições, quando elas passarem do racional. Uma ambição, um desejo sem limites é como uma locomotiva desgovernada a atropelar tudo e todos que encontra pela frente. Quando contida pelo racional e pela disciplina é poderoso meio de mudança e crescimento.
Orleide Felix de Matos
Nota do Editor:
Imagem em destaque disponível em <https://umavidamaissimples.com/2016/05/16/nos-possuimos-ou-somos-possuidos/>. Acesso em 23MAI2018.

O amor de Deus nos une


Jesus, o nosso guia e modelo, sempre dizia que Ele e o Pai eram um só. Mas o que seria sentir-se como um só com Deus?

Ele (Jesus) chega sem qualquer prestígio de autoridade humana, mas com a sua magnitude moral, imprime novos rumos à vida, por dirigir-se, acima de tudo, ao espírito, em todos os climas da terra. Transmitindo as ondas mentais das Esferas Superiores de que procede, transita entre as criaturas, despertando-lhes as energias para a vida Maior, como que a tanger-lhes as fibras recônditas, de maneira a harmonizá-las com a sinfonia universal do Bem Eterno” 

Todo o Evangelho e tudo que soubemos até agora sobre Jesus só veio a confirmar a Sua união total com Deus, a Sua inabalável fé e devoção ao Pai Maior.
Nós ainda não conquistamos tal comunhão com o nosso Pai, mas Jesus nos transmitiu o mandamento maior como uma síntese prática e simples, que, se nos esforçarmos para seguir, já estaremos fazendo muito: “Amarás a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”.
Esse mandamento é lógico e natural. A primeira etapa é aprender a amar-se, cuidando do corpo físico e do espírito, assim estaremos aptos a amar o nosso irmão, pois como poderemos dar amor se não temos nem para nós mesmos?
A segunda etapa é aprender a amar o outro, daí nasce a caridade, o respeito às pessoas, aos seres vivos e a tudo no nosso planeta; e outros bons sentimentos brotam, fruto do esforço na auto reforma, então, estaremos amando à Deus, pois Ele está dentro de todos nós e em tudo que nos cerca. Jesus dizia que quando ajudássemos o próximo, estaríamos ajudando a Ele e, também ao Pai, já que Ele e o Pai eram um só.
A humanidade está neste caminho, de unicidade, pois já vemos um número crescente de pessoas que se dedicam a trabalhar pelo outro sem receber nada em troca e nunca houve tantos movimentos em prol da ecologia na Terra, pois entendemos que somos parte desse organismo.
Com isso vemos que estamos todos juntos, conectados, e quanto mais compreendermos isso e nos esforçamos para que esse amor esteja em nossos pensamentos e ações, mais próximos estaremos do Pai e de Jesus, mais harmonizados com a sinfonia universal acima citada.
Jesus recolhia-se para conversar com o Pai; tudo o que pregava era em nome do Pai e isto que nem se considerava bom como o Pai. Assim, acabou nos exemplificando um novo conceito de “bom” cuja dimensão ainda não assimilamos, pois implica em uma total mudança de atitude nossa, o que é difícil e necessita de muito tempo.
A conclusão é que o amor de Deus nos une, e a ausência desse amor nos separa. Mas temos, graças à Deus, a aptidão para aprender a amar, pois somos Dele.
“Nós somos de Deus”, mas “Apesar de nossa origem divina, mil obstáculos nos prendem à ideia de separação da Paternidade Celeste.
Cega-nos o orgulho para a universalidade da vida.
A vaidade ergue-nos falso trono de favoritismo indébito, buscando afastar-nos da realidade.
A ambição inferior precipita-nos em abismos de fantasia destruidora.
A revolta forma tempestades de ódio sobre as nossas cabeças.
A ansiedade fere-nos o ser.
E julgamos, nesses velhos conflitos do sentimento, que pertencemos ao corpo físico, ao preconceito multissecular e à convenção humana, quando todo o patrimônio material que nos circunda representa empréstimo de forças e possibilidades para descobrirmos nós mesmo, enriquecendo o próprio valor. Na maioria das vezes, demoramo-nos no sombrio cárcere da separação, distraídos, enganados, cegos
A nossa estrada à frente é longa e difícil porque é interna, mas estamos nos dando conta que a resposta é a nossa união, a nossa associação, rumo a comunhão com Deus, e a lei é a fraternidade, para que todo o sistema do universo flua no amor, na harmonia na conquista do Reino de Deus.
Maria Lúcia Garbini Gonçalves

Referências Bibliográficas:
(1) XAVIER, FRANCISCO CÂNDIDO; VIEIRA, WALDO. Espírito André Luiz. Mecanismos da Mediunidade – capítulo 26, Jesus e Mediunidade;
(2) XAVIER, FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER. Espírito Emmanuel. Vinha de Luz, capítulo 84 Nós Somos de Deus.

Instituto de Psicologia Positiva do MS fala sobre a ciência da felicidade

Estudos científicos comprovam que é possível desenvolvermos uma vida mais plena e feliz. Felicidade agora é ciência!

Márcia Dreon Cappellari fundou, há 1 ano, o IPPMS (Instituto de Psicologia Positiva do Mato Grosso do Sul)Márcia Dreon Cappellari fundou, há 1 ano, o IPPMS (Instituto de Psicologia Positiva do Mato Grosso d
No cotidiano, um turbilhão de sentimentos faz despertar emoções negativas, afastando muitas pessoas das sensações otimistas e da criatividade que está dentro de cada um. Traçar estratégias e potencializar o lado positivo do ser humano é essencial na busca pela felicidade plena e é nesse ponto que a Psicologia Positiva atua.
Diante deste conhecimento a Psicóloga Márcia Dreon Cappellari, fundadora e diretora do IPPMS – Instituto de Psicologia Positiva do Mato Grosso do Sul, sempre acreditou que todos as pessoas nascem para serem felizes, mas para que isso aconteça no caminho da vida precisamos potencializar o que temos de melhor, como nossas forças e virtudes humanas.
Nossos trabalhos, no Instituto propõem o estudo do que “da certo”, ou seja, das características humanas, sociais e institucionais que produzem bem-estar físico e psicológico.
Com o conhecimento cientifico da Psicologia Positiva buscamos, então, conhecer, elaborar, efetuar e avaliar meios que possibilitem o desenvolvimento e o funcionamento positivo dos indivíduos e das instituições.
A instituição parte da certeza de que "são as pessoas felizes que têm sucesso, e não as pessoas de sucesso que são felizes".
A Psicologia Positiva não é apenas o ato de pensar positivo, é uma ciência, esclarece Márcia. “É importante compreender que é um trabalho minucioso. Na psicologia tradicional, o foco é a cura do problema. Na positiva, nós saímos da linha de neutralidade para uma vida mais plena, feliz e cheia de realizações. Mas para isso, é preciso trabalhar todas as nossas emoções, além dos problemas patológicos”, explica.
Num mundo em que doenças como a depressão, transtornos e estados de ansiedade crescem a cada dia, as pessoas parecem estar confusas sobre onde encontrar a felicidade. Foi a partir da ideia de ajudar elas a atingirem seu potencial máximo que surgiu a Psicologia Positiva, em 1998, com Martin Seligman , que naquela época era o presidente da (APA) Associação Americana de Psicologia. Neste contexto emana da concepção da Psicologia Positiva a intensão de mudar o foco da psicologia da preocupação única de reparar as piores coisas da vida para a construção de qualidades positivas, podendo ser compreendida como um estudo cientifico das experiências e aspectos positivos do ser humano, suas potencialidades e motivações, e das condições que contribuem para o aumento da felicidade e bem-estar humano.
“Esse movimento científico veio de encontro com um momento muito atual, onde previu-se que a depressão e a ansiedade seriam constatadas em grande parte das pessoas. “A partir da revolução da informação tecnológica, a sociedade tem se tornado cada vez mais complexa e interdependente, pesquisadores são enfáticos ao afirmar que o cultivo das emoções positivas dependeria a própria sobrevivência humana”,explica a psicóloga.
Ferramentas - Para atingir essas metas, há o atendimento clínico, que parte dos referenciais teóricos da Terapia Cognitivo Comportamental e da Psicologia Positiva para oferecer aos pacientes, além do alívio da dor, condições para a conquista de uma vida mais feliz.
Outras ferramentas são o coaching Positivo ou Vocacional. No Positivo, o trabalho individual é feito com foco nas qualidades humanas, forças pessoais e comportamentos funcionais.
Já no Coaching Vocacional a ideia é auxiliar a pessoa no processo da escolha profissional. Com motivação, sensibilidade e orientação, ela compreende que a distância entre o sonho e a conquista é a atitude. O trabalho é feito para que todos se tornem protagonistas de seus projetos de vida e adotem uma atitude proativa e responsável em seus objetivos.
Pensando nisso, o Instituto também buscou levar a Psicologia Positiva para dentro de escolas, universidades e empresas, com projetos personalizados que preparam as equipes, jovens, crianças e adultos a encontrarem a melhor versão de si mesmos, e consigam lidar com suas emoções, desenvolvendo inteligência emocional e capacidade para lidar com as adversidades da vida. “Comprovadamente, esses estudos melhoram, por exemplo, a competência social, felicidade, aprendizagem, engajamento e satisfação. As pessoas se sentem mais felizes, trabalham melhor, administram seus projetos e atingem ao sucesso”.
É importante compreender que dentro da Psicologia Positiva as emoções negativas não são ignoradas e sim compreendidas. Ou seja, busco como eu posso extrair o melhor disso e a gente consegue mudar a forma de ver a situação. A felicidade não se concretiza apenas com a cura do problema, as pessoas precisam saber que elas podem muito mais na vida e é a partir disso que trabalhamos”.
Cursos do IPPMS – No instituto, além do atendimento, há inúmeros cursos, workshops e projetos realizados com compromisso, responsabilidade e conhecimento científico que hoje transformam pessoas pelo mundo.
Entre eles, no próximo dia 28 de abril, haverá o workshop com tema “Mulheres fortes, podem mais!”. Com objetivo de abordar temas de auto liderança e aspectos do universo feminino no cotidiano empreendedor.
No dia 5 de maio, Marcia irá ministrar um workshop de Introdução à Psicologia Positiva, abordando temas sobre conhecimento, cenários, aspectos e aplicação da metodologia na vida do ser humano.
Quem estiver interessado nos cursos, projetos e atendimentos do Instituto de Psicologia Positiva pode entrar em contato pelos telefones (67) 3025 2561 e 99266-0262 ou pelo email contato@ippms.com.br.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Doenças mentais e obsessão na visão do espírito Joanna de Ângelis

joanna de ângelis
JOANNA DE ÂNGELIS | Divaldo Franco
Questão grave que requisita acurados estudos e contínuo exame, a fim de haurir-se necessário conhecimento, a que diz respeito à problemática das distonias e afecções psíquicas, sejam decorrentes dos transtornos orgânicos e mentais, sejam de causa obsessiva.
Em cada processo de alienação mental há uma causa preponderante com complexidades que escapam ao observador menos vigilante e pouco adestrado, em relação às questões do Espírito.
Sendo o homem um Espírito encarnado em processo evolutivo, somente por meio do seu conhecimento espiritual serão possíveis os esforços exitosos no solucionamento dos distúrbios que o surpreendem no trânsito carnal.
Cada enfermidade mental tem sua etiopatogenia específica sediada nas intricadas tecelagens do perispírito do paciente, como resultado do comportamento que se permitiu de maneira equivocada. Isto porque as soberanas Leis da Justiça Divina sempre alcançam os infratores dos seus estatutos, onde quer que se encontrem,.
O homem, por meio das realizações, construções mentais e atitudes, instala nos centros da vida pensante os germens dos distúrbios que produzem alienações as mais diversas, impondo os impostergáveis ressarcimentos pela autopunição, por meio das psicoses, psicopatias, psiconeuroses, traumas, obsessões que se apresentam em múltiplos aspectos…
Da neurose simples às complexas manifestações da hidro, da micro e da macrocefalia, do mongolismo [Síndrome de Down], da esquizofrenia, as causas atuais possuem suas matrizes na anterioridade do caminho percorrido, no passado, pelo Espírito ora em alienação…
As agressões à caixa craniana e ao cérebro, pela desarvoração que conduz ao suicídio, engendram as anomalias da constituição morfológica e de funcionamento das engrenagens mentais desarranjadas pelos petardos e atentados perpetrados na suprema rebeldia a que o homem se entrega…
Ninguém foge à vida sem se surpreender com ela mais adiante… Pessoa alguma se evade à responsabilidade sem que se veja defrontada pelos problemas criados à frente. Criminosos não justiçados reencarnam com psicoses maníaco-depressivas, como a tentarem fazer justiça ante o delito, não ressarcido, fixado na memória. Homens que enganaram, não obstante as homenagens que desfrutaram, refugiam-se em várias formas de loucura, como a fugirem dos compromissos que não têm coragem para enfrentar…
Na gama multiface das alienações mentais, a obsessão igualmente ocupa lugar expressivo. Ódios demoradamente cultivados e decorrentes de erros graves vinculam os que se demoram no além-túmulo aos que reencarnaram na Terra, produzindo lamentáveis consórcios mentais de consequências imprevisíveis. Hediondos conciliábulos que transcorreram em sombras, produzindo gravames, convertem-se em heranças de interdependência psíquica, que degeneram em obsessões cruéis… Amores violentos, saciados em sangue, asfixiados em traição, silenciados em infâmias, mantidos em tramas urdidas para se libertarem dos empecilhos, reagrupam algozes e vítimas no intercâmbio espiritual que se transforma em subjugações truanescas de curso demorado e pungente…
A morte não apaga a memória, antes a aguça, facultando a uns lucidez exagerada, enquanto outros jazem em longo torpor, automaticamente atraídos e imantados aos cômpares dos crimes e descalabros, produzindo interdependência, em comunhão danosa, de vampirização fluídica, em que se exaurem as forças constitutivas da cápsula carnal, por onde deambulam os encarnados. A morte é sempre a grande, fatal desveladora de mistérios, de enigmas, de causas ocultas… E a vida física se organiza mediante as consequências dos atos pretéritos, transformados em presídios de dor ou paisagem de liberdade. Simultaneamente, a experiência carnal enseja tesouros de incomparável valor para a elaboração de causas propiciatórias à paz e à felicidade que um dia todos lograrão, após depurados e esclarecidos.
Do conhecimento da Vida Espiritual defluirão preciosos benefícios para a sanidade mental das criaturas humanas.
O Espiritismo ou Cristianismo moderno possui as mais valiosas terapêuticas para a problemática mental da atualidade, por ensinar a indestrutibilidade e comunicabilidade do princípio espiritual do homem, asseverando quanto à necessidade das sucessivas reencarnações, anulando o pavor da morte, dos sofrimentos e sendo o mais perfeito método contra os fatores que produzem traumas, desvarios, desequilíbrios…
Favorecendo o otimismo, este produz a vitalização dos centros do equilíbrio psicofísico, reabastecendo de energias compatíveis as engrenagens eletromagnéticas do campo mental, vitalizando os fulcros debilitados da fomentação de forças mantenedoras da vida.
A diminuição das defesas morais encarregadas de criarem um campo de força defensiva no homem faculta a invasão microbiana no organismo, permitindo que sequelas desta ou daquela ordem afetem os núcleos do discernimento e da razão, arrojando-o no desconserto da loucura.
O cultivo da prece, a conversação edificante, o exercício da meditação e da reflexão, as ações nobilitantes, o labor pelo próximo, conseguem fortalecer o homem com energias específicas, forrando-o das agressões físicas como espirituais, propiciatórias das distonias múltiplas, promotoras das doenças mentais e obsessivas que tanto infelicitam.
No sentido oposto, a ociosidade física e mental, o pessimismo, a irritabilidade, o desânimo, a malícia, a ira e o ódio, o ciúme e os vícios, facultam não apenas a proliferação dos fatores que geram loucuras como o surgimento de matrizes para fixações obsessivas de consequências graves.
Em razão proporcional aos distúrbios morais crescem os desvarios mentais supliciando os Espíritos levianos e culpados, em terapêutica depuradora, de que se poderiam forrar, não se demorassem vinculados aos círculos da insensatez, da leviandade, do imediatismo…
Em face do conhecimento do Mundo Espiritual, presente em todos os cometimentos humanos, poderão a Psiquiatria, a Psicologia, a Psicanálise, a Psicossomática enriquecer-se de luzes para se transformarem, realmente, em ciências da alma e da mente em benefício do homem, após vencido o preconceito que não obstante o respeito que nos merecem, lhes põem antolhos impeditivos para a clara e ampla visão das realidades da vida, na grandeza que lhe é própria.
Joanna de Ângelis
Psicografia de Divaldo Pereira Franco, na sessão mediúnica
da noite de 25 de fevereiro de 1974, no Centro Espírita
Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia.
Em 10.7.2017.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Atendimento fraterno na terça-feira


Água fluidificada: o que é e qual a importância para a sua vida?

água fluidificada
TV MUNDO MAIOR
Você leva sua Água Fluidificada no centros espíritas? Podemos perceber que alguns reservam áreas específicas para a fluidificação de água onde podemos deixar garrafas identificadas com nossos nomes e locais, como casa ou trabalho.
Alguns também oferecem um copo de água no fim de suas atividades. Mas o que seria a água fluidificada?
A água fluidificada é apenas uma água normal que receberá  fluidos magnéticos que serão absorvidos com facilidade devido a sua neutralidade. Ela é muito utilizada em tratamentos espirituais ou de doenças corporais por contar fluidos medicamentosos. Eles poderão atuar diretamente nas células de seu organismo, diminuindo o processo de oxidação, auxilia na produção das células de defesa e ajuda no transporte de nutrientes.
A fluidificação da água é feita pelos auxiliares desencarnados do plano espiritual. Eles irão transmitir sua energia de luz magnetizando a água. Esse processo exige fé do paciente que receberá o tratamento que irá transmitir os fluidos através da condução eletro-magnética da água. Esse processo poderá expandir os átomos físicos permitindo a entrada dos átomos espirituais que ajudarão na cura.
A espiritualidade utiliza métodos para a transmissão dos fluidos magnéticos, como a água fluidificada e o passe. Pela propriedades da água e a emanação dos fluidos é possível fazê-la agir no organismo humano colaborando com tratamentos médicos para a cura do corpo, que você pode intensificar com seu amor e fé.
Se o centro espírita em que você frequenta tem esse trabalho mediúnico de fluidificação das águas, não perca a oportunidade de levar a sua garrafinha e ir tomando aos poucos. O recomendável é uma xícara pequena de água fluidificada por dia. Adquira esse hábito e irá ver mudanças na sua vida.

Mais de 700 psicografias de Chico Xavier são encontradas

chico xavier
G1
Quase 16 anos após a morte do líder espírita Chico Xavier, materiais inéditos ou raros do médium ainda são encontrados em Uberaba. No mês passado, reportagem do G1 mostrou uma dessas descobertas. Desta vez, segundo o filho do médium, Eurípedes Higino, as relíquias encontradas estavam dentro de caixas em um imóvel ao lado da casa onde Chico morou. Tudo está sendo analisado e documentado.
Mais de 700 cartas com mensagens para mães, relatos de saudade, de fé, agradecimento e sonhos foram encontradas em um imóvel ao lado da Casa de Memórias e Lembranças de Chico Xavier. O imóvel era de Vivaldo, datilógrafo e amigo do médium. Também foram encontradas poesias e relatos de grandes nomes da história e cultura brasileira. A descoberta ocorreu há seis meses.
“A Silma, companheira nossa aqui, que primeiramente achou e me chamou. Foi um espanto, pois a gente dá muito valor e era algo que precisávamos para poder mostrar as autoridades de museologia sobre o que o Chico Xavier produzia antes de serem datilografadas. (…) Têm relatos de Castro Alves e também de mentores diretos de Chico Xavier”, contou Eurípedes Higino.
As psicografias e demais materiais estão sendo analisados. Após esse trabalho, o filho do médium pretende tornar público todos esses registros. A ideia é que elas sejam expostas em uma sala da casa onde as cartas foram encontradas. O local receberá o nome de “Correio do Além”.
“Estamos fazendo um estudo para ver o que já tem em livro e o que não tem, para ser aproveitado em futuros livros. (…) Nós já tiramos cópias e plastificamos, pois os originais serão guardados em outro setor”, explicou Eurípedes Higino.
De acordo com Carlos Vitor Silveira, museólogo do Memorial Chico Xavier, o material é um verdadeiro achado, com importância histórica e cultural.
filho de chico xavier
“Trazem à tona informações que às vezes não estavam às claras e com isso podemos ter novas informações. Isso mostra que a memória do Chico continua muito viva e presente”, ressaltou o museólogo.
Ao longo dos 92 anos de vida, Chico Xavier psicografou quase 500 livros – romances, contos e estudos, traduzidos para 30 idiomas e que venderam mais de 60 milhões de exemplares.
Os números deixariam qualquer escritor lisonjeado, mas ele nunca admitiu ser o autor das obras; afirmava sempre que apenas reproduzia o que os espíritos ditavam. Chico também nunca aceitou o dinheiro lucrado com a venda dos livros e os direitos autorais foram doados para a Federação Espírita Brasileira (FEB).
O médium também psicografou cerca de dez mil cartas para inúmeras famílias.
“É uma honra conservar essa história de Chico Xavier. (…) Chico era o que o Brasil está precisando: um verdadeiro cristão e um homem de bem”, destacou.

O câncer analisado em uma perspectiva da Doutrina Espírita

câncer
VERDADE E LUZ
Recentemente, na Califórnia, nos Estados Unidos, Hannah Powell-Auslam, uma menina de 10 anos de idade, foi diagnosticada com câncer de mama, um caso considerado, extremamente, raro (carcinoma secretório invasivo). Os médicos fizeram uma mastectomia, mas o câncer se espalhou para um nódulo e Hannah terá que passar por outra cirurgia, ou por tratamento de radioterapia.
Outro caso instigante é o das duas gêmeas idênticas britânicas, diagnosticadas com leucemia, com apenas duas semanas de intervalo. O drama das meninas Megan e Gracie Garwood, de 4 anos, começou em agosto de 2009. “Receber a notícia de que você tem três filhos e dois deles têm câncer é inimaginável”, afirmou a mãe das meninas. “Você fica pensando o que fez para merecer isso”. Câncer é uma palavra derivada do grego “karkinos”, a figura mitológica de um caranguejo gigante, escolhida por Hipócrates, para representar úlceras de difícil cicatrização e que, ao longo do tempo, consagrou-se como sinônimo genérico das neoplasias malignas. Há mais de cem tipos diferentes de câncer, que variam, ao extremo, em suas causas, manifestações e prognósticos.
Diferentemente do câncer em adultos, em que se leva em conta aspectos do comportamento como fumo, alcoolismo, alimentação, sedentarismo e exposição ao sol, a medicina, ainda, não conseguiu estabelecer os verdadeiros fatores de risco do câncer pediátrico. Os casos de Hannah Powell-Auslam, Megan e Gracie Garwood bem que podem entrar nas estatísticas brasileiras do câncer infanto-juvenil, que atinge crianças e adolescentes de um a 19 anos. Segundo pesquisa divulgada pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer) e pela Sobop (Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica), o câncer é a doença que mais mata os jovens, na faixa dos cinco aos 18 anos, no Brasil. Pesquisa indica o surgimento de, aproximadamente, 10 mil casos de câncer infanto-juvenil, a cada ano, no Brasil, a partir do biênio 2008/2009.
O agravante é que o câncer, nos adolescentes, costuma ser mais agressivo do que nos adultos, e é mais difícil de ser diagnosticado, segundo Luiz Henrique Gebrin, Diretor do Departamento de Mastologia do Hospital Pérola Biynton, em São Paulo (SP).
Será o câncer, então, uma obra do acaso, uma “punição divina” ou um “carma” do espírito? Hoje, à luz da Ciência médica, pode-se afirmar que o fator predominante da carcinogênese é, sem dúvida, o comportamento humano: tabagismo, abuso de álcool, maus hábitos alimentares e de higiene, obesidade e sedentarismo, os quais são responsáveis por quatro, em cada cinco casos de câncer e por 70% do total de mortes. Os cânceres por herança genética pura, ou seja, que não dependem de fatores comportamentais e ambientais, são menos de 5% do total.
A experiência corrobora, pois, que o câncer é uma enfermidade, potencialmente, “cármica”. Estamos submetidos a um mecanismo de causa e efeito que nos premia com a saúde ou corrige com a doença, de acordo com nossas ações. A criança de hoje foi o adulto de antanho.
“O corpo físico reflete o corpo espiritual que, por sua vez, reflete o corpo mental, detentor da forma”.
(1) “Os que se envenenaram, conforme os tóxicos de que se valeram, renascem, trazendo as afecções valvulares, os achaques do aparelho digestivo, as doenças do sangue e as disfunções endocrínicas, tanto quanto outros males de etiologia obscura; os que incendiaram a própria carne amargam as agruras da ictiose ou do pênfigo; os que se asfixiaram, seja no leito das águas ou nas correntes de gás, exibem os processos mórbidos das vias respiratórias, como no caso do enfisema ou dos cistos pulmonares; os que se enforcaram carreiam consigo os dolorosos distúrbios do sistema nervoso, como sejam as neoplasias diversas e a paralisia cerebral infantil; os que estilhaçaram o crânio ou deitaram a própria cabeça sob rodas destruidoras, experimentam desarmonias da mesma espécie, notadamente as que se relacionam com o cretinismo, e os que se atiraram de grande altura reaparecem, portando os padecimentos da distrofia muscular progressiva ou da osteíte difusa.”
(2) “A cura para o câncer não deverá surgir nos próximos dez anos”
(3) é o que o articulista da Revista Time, Shannon Browlee. Talvez os cientistas nunca encontrem uma única resposta, um único medicamento capaz de restaurar a saúde de todos os pacientes com câncer, porque um tumor não é igual ao outro. Os espíritas sabem que não existem doenças e sim doentes. Em verdade, “todos os sintomas mentais depressivos influenciam as células em estado de mitose, estabelecendo fatores de desagregação.”

(4) Apesar dos consideráveis avanços tecnológicos, em busca do diagnóstico precoce e do tratamento eficaz, a Medicina e a Ciência, em geral, estão, ainda, distantes de dominarem o comportamento descontrolado das células neoplásicas.
Obviamente, não precisamos insistir na busca de vidas passadas para justificar o câncer: As estatísticas demonstram grande incidência de câncer no pulmão, em pessoas que fumam na atual encarnação. Muitas formas de cânceres têm sua gênese no comportamento moral insano atual, nas atitudes mentais agressivas, nas postulações emocionais enfermiças. “O mau-humor é fator cancerígeno que ora ataca uma larga faixa da sociedade estúrdia.”
(5) O ódio, o rancor, a mágoa, a ira são tóxicos fulminantes no oxigênio da saúde mental e física, consomem a energia vital e abrem espaços intercelulares para a distonia e a instalação de doenças. São “agentes poluidores e responsáveis por distúrbios emocionais de grande porte, são eles os geradores de perturbações dos aparelhos respiratório, digestivo, circulatório. Responsáveis por cânceres físicos, são as matrizes das desordens mentais e sociais que abalam a vida”
(6) Falando sobre doença cármica, “o câncer pode, até, eliminar as sombras do passado, mas não ilumina a estrada do porvir. Isso depende de nossas ações, da maneira como arrostamos problemas e doenças.
Quando a nossa reação diante da dor não oprime aqueles que nos rodeiam, estamos nos redimindo, habilitados a um futuro luminoso. “Quando nos rendemos ao desequilíbrio ou estabelecemos perturbações em prejuízo contra nós (…), plasmamos nos tecidos fisiopsicossomáticos determinados campos de ruptura na harmonia celular, criando predisposições mórbidas para essa ou aquela enfermidade e, conseqüentemente, toda a zona atingida torna-se passível de invasão microbiana.”
(7) Outra situação complicada é o aborto que “oferece funestas intercorrências para as mulheres que a ele se submetem, impelindo-as à desencarnação prematura, seja pelo câncer ou por outras moléstias de formação obscura, quando não se anulam em aflitivo processo de obsessão.”
(8) O conhecimento espírita nos auxilia a transformar a carga mental da culpa, incrustada no perispírito, e nos possibilita maior serenidade ante os desafios da doença. Isso influenciará no sistema imunológico. Os reflexos dos sentimentos e pensamentos negativos que alimentamos se voltam sobre nós mesmos, depois de transformados em ondas mentais, tumultuando nossas funções orgânicas.
Para todos os males e quaisquer doenças, centremos nossos pensamentos em Jesus, pois nosso bálsamo restaurador da saúde é, e será sempre, o Cristo. Ajustemo-nos ao Evangelho Redentor, pois o Mestre dos mestres é o médico das nossas almas enfermas.
Fontes:
(1) Xavier, Francisco Cândido. Evolução em Dois Mundos , ditado pelo espírito André Luis 15ª edição, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 1997.
(2) Xavier Francisco Cândido. Religião dos Espíritos, Rio de Janeiro: 11ª Edição Ed. FEB – (Mensagem psicografada por em reunião pública de 03/07/1959)
(3) Transcrita em um caderno especial na Folha de São Paulo de 4 de novembro de 1999
(4) Xavier, Francisco Cândido. Pensamento e Vida, ditado pelo espírito Emmanuel, Rio de Janeiro: Ed. FEB, 2000
(5) Franco, Divaldo. Receita de Paz, ditado pelo espírito Joanna de Angelis, Salvador: Ed. Leal, 1999
(6) FRANCO, Divaldo Pereira. O Ser Consciente, Bahia, Livraria Espírita Alvorada Editora, 1993
(7) Artigo “Uma Visão Integral do Homem”, Grupo Espírita Socorrista Eurípides Barsanulfo.
(8) Xavier Francisco Cândido e Vieira Waldo. Leis de Amor, São Paulo: Edição FEESP, 1981

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Você acredita em horóscopo? Qual a visão espírita?

horóscopo
GRUPO DE ESTUDO ALLAN KARDEC
Os astros influenciam igualmente na vida do homem?
Emmanuel: “As antigas assertivas astrológicas tem a sua razão de ser. O campo magnético e as conjunções dos planetas influenciam no complexo celular do homem físico, em sua formação orgânica e em seu nascimento na Terra; porém, a existência planetária é sinônimo de luta. Se as influências astrais não favorecem a determinadas criaturas, urge que estas lutem contra os elementos perturbadores, porque, acima de todas as verdades astrológicas, temos o Evangelho, e o Evangelho nos ensina que cada qual receberá por suas obras, achando-se cada homem sob as influências que merece.”
(Livro: O Consolador – psicografia de: Chico Xavier)
“O homem é senhor de seu próprio destino. As influências mais séria que venha a sofrer condicionam-se à sua própria vontade . . . Por isso, profecias relacionados com a vida diária, baseados em meras especulações astrológicas, somente se concretizarão na medida em que lhes dermos o aval da aceitação.”
(Richard Simonetti)

“Nós espíritas não acreditamos em horóscopo porque sabemos que somos Espíritos onde cada qual de nós está num grau evolutivo e traz uma bagagem de vivência passada diferente uns dos outros. Nem todos que são do signo de aquário, por exemplo, tem o modo de agir, o temperamento, o gosto, etc., iguais.
A lei divina não determina que tal espírito deve nascer em determinada data porque seu comportamento condiz com as características de tal signo. Há reencarnações emergenciais onde não daria tempo do espírito aguardar a data que condiz com seu modo de agir.
Os astros, como disse Emmanuel, influenciam no corpo carnal, por seu magnetismo.
Somos hoje o que fizemos ontem e seremos amanhã o que fizermos hoje.”
Fonte/Autor: Rudymara – Grupo de Estudo “Allan Kardec”

Por que você tem parentes difíceis em sua família?

briga de família
KARDEC RIO PRETO
A doutrina espírita nos explica que nós e nossos parentes somos afetos ou desafetos de muito tempo, ou seja, construímos uma história juntos, seja ela positiva, seja ela negativa.
Assim, estamos sempre no lugar certo e com as pessoas certas para o nosso convívio e aprendizado.
E ante a Lei de Causa e Efeito somos responsáveis pelas ligações que edificamos. E a Lei de Amor nos ensina a necessidade de aprendermos a Amar e nesse processo, no estágio que estamos, pressupõe aprender a compreender, a entender, a aceitar, a auxiliar, a buscar transformar sentimentos negativos em sentimentos positivos.
Procuremos compreender e perdoar incompreensões, ciúmes e a intolerância de todos aqueles que a Divina Providência colocou sob o mesmo teto que o nosso.
Nem sempre nossos parentes são nossos amigos. O grande sábio Salomão já dizia que:…há amigo mais chegado que um irmão (Prov. 18:24).
A abençoada lei de amor e justiça, que é a reencarnação, nos proporciona quitar débitos com os mesmos adversários de ontem, vivendo hoje conosco sob as mesmas telhas na condição de pais, mães, filhos, irmãos e cunhados.
No lar, ao lado de almas queridas, encontramos também antigos desafetos, que a sabedoria divina coloca ao nosso lado como oportunidade de reconciliação e resgate.
Diante do parente mais difícil, necessário se faz o exercício da compreensão, da paciência e perdão.
“Reconciliai-vos o mais depressa possível com o vosso adversário, enquanto estais a caminho” (Mt 5:25), aconselhou Jesus.
Aproveite a oportunidade de caminharem juntos, pois talvez ao longo do percurso, encontraremos o momento mais adequado e propício para esta reconciliação.
Perdoe sempre, pois presos à carne só enxergamos uma face da moeda de nossas existências. A outra face só nos será revelada quando estivermos no mundo espiritual.
Por isso, muitas vezes pensamos ser vítimas quando na realidade somos algozes.
Nunca esqueça que não tem os parentes que sonhou e sim aqueles que merece.
Estamos situados na família certa junto das pessoas mais adequadas à nossa evolução. Esforce-se, para amá-los, tendo para com eles, os nobres sentimentos do perdão, da tolerância, da resignação e da paciência.
Fonte: www.verdadeluz.com.br

Primeiro dia de filmagem de ‘Kardec’ em Paris


Baseado no best seller de Marcel Souto Maior, a cinebiografia de Allan Kardec começou a ser rodada nesta quarta-feira, 16, em Paris. A primeira imagem divulgada do filme traz o ator Leonardo Medeiros (crédito: Corentin De Meirler) caracterizado como Kardec na Pont de la Tournelle, um clássico no coração da cidade luz que fica em frente à Ile Saint Louis. Kardec tem produção da Conspiração e distribuição da Sony Pictures e é dirigido por Wagner de Assis (Nosso Lar).
Leonardo Medeiros é o protagonista Hypolite Leon Denizard Rivail, reconhecido depois como Allan Kardec, o conhecido educador francês nascido em 1804 que se destacou nos estudos e pesquisas que culminaram na criação da Doutrina Espírita a partir de 1857. Uma equipe de 12 brasileiros trabalha na Cidade Luz até sábado em conjunto com mais de 30 profissionais franceses. Na cena de ontem, 16 figurantes caracterizados com roupas de época compunham a Paris da época de Kardec.
Em junho, o grupo filma em terras cariocas em locações escolhidas por se aproximarem às estruturas da Paris do século XIX.
Com lançamento previsto para 2019, a produção tem ainda no elenco nomes como Guilherme Piva (Didier), Genézio de Barros, (Padre Boutin), Charles Fricks (Charles Baudin), Licurgo Espinola (Sr. Babinet). O roteiro de L.G. Bayão e Wagner de Assis acompanha a trajetória de Kardec desde o período em que atuava como educador, passando pela fase de descoberta da doutrina, até a publicação e repercussão de “O Livro dos Espíritos”. 
Sobre Wagner de Assis
Wagner de Assis, 47, foi diretor e roteiristas dos longas “A Cartomante”, “Nosso Lar” e “A Menina Indigo”. Em breve, também vai começar a filmar a sequência de Nosso Lar, o filme “Nosso Lar – Os Mensageiros”, também baseado na obra e Chico Xavier.