terça-feira, 29 de novembro de 2016

Palestra de hoje terca -feira ministrada p Ana Catharina Pessoa

Resultado de imagem para fotos de ana catharina pessoa
A palestra de hoje sera proferida pela nossa irmã Ana Catharina Pessoa, como vem sendo ministrada a pedido da espiritualidade amiga que esta preocupada com o numero de visitantes e trabalhadores que chegam aquela casa de luz em busca de ajuda espiritual, pois, cada dia mais pessoas chegam em busca de auxilio aos seus desafios diários que não são facies, porem todos com a providencia de Deus  no seu tempo e não no nosso ajudados.
Falaremos de "Tristeza e alegria de viver" ha solução o que os espíritos nos ensinam e o que a psicologia nos orienta para tornar nossos conflitos menos dolorosos.

aguardo vocês amados irmãos em Cristo

Atendimento fraterno dia de terça-feira

Resultado de imagem para maos
TERÇA: DAS 19:15 as 20:30hs -
Abertura: Pres. Antonio Rodrigues.
Leitura de Graça Brito - Livro de Jacob Melo/ O Passe
Palestra de 15 min. de Ana Catharina Pessoa - Do livro O Evangelho Segundo Espiritismo - aplicado nos dias de hoje .
Limpeza Astral.
Fluidificação das Águas.
Tratamentos e cirurgias espiritual.
Desenvolvimento Mediúnico e Psicografia.

PREPARO PARA A REUNIÃO MEDIÚNICA

51lkptnyzll-_sx322_bo1204203200_

No dia marcado para as tarefas de desobsessão, os integrantes da equipe precisam cultivar atitude mental digna, desde cedo. Ao despertar pela manhã, o dirigente, os assessores da orientação, os médiuns, os companheiros da sustentação ou mesmo aqueles que serão visitas ocasionais no grupo, devem elevar o nível do pensamento, orando ou acolhendo ideias de natureza superior, intenções e palavras puras, atitudes e ações limpas. Evitar discussões, sustentando paciência e serenidade, acima de quaisquer transtornos que sobrevenham durante o dia. Trata-se de preparação adequada: a assistência a desencarnados menos felizes, com a supervisão de instrutores da Vida Espiritual. Imaginem-se os companheiros no lugar dos Espíritos necessitados de socorro e compreenderão a responsabilidade que assumem. (Francisco Cândido Xavier – Desobsessão – pelo Espírito André Luiz cap.13.)
Além de cuidar da parte mental é necessário o cuidado com a alimentação, a qualidade e quantidade dos alimentos durante as horas que precedem o trabalho mediúnico são muito importantes, precisa ser leve. Quando o estômago está muito cheio, o cérebro fica inábil. Uma digestão demorada consome grande parcela de energia, impedindo a função mais clara e mais ampla do pensamento que exige segurança e leveza para exprimir-se nas atividades mediúnicas.
Alguns alimentos que os médiuns devem evitar consumir nos dias de trabalho:
  • Alimentos gordurosos e frituras
  • Café
  • Carne vermelha
  • Chocolate
  • Pimenta
  • Refrigerante
O organismo leva mais tempo para digerir esses alimentos, alguns ainda podem provocar azia, gases, entre outros incômodos, o que pode acabar atrapalhando a concentração dos envolvidos na reunião.
Por Barbara Helen
Nutricionista – CRN 13514

O silêncio também é uma opinião!

silencio
Atribui-se a William Shakespeare uma frase preciosa e profunda: “É melhor ser rei do teu silêncio que escravo das tuas palavras”. Tal raciocínio aponta que, a benefício nosso, calar-se é também um remédio para a alma.
Associamos à ideia de poder a necessidade de argumentar sobre algo. Não raro, nos consideramos donos da razão chegando a alegar que temos o direito de opinar e ainda exigindo respeito ao nosso ponto de vista. O mesmo não fazemos em relação ao outro; basta que ele opine algo para que já nos sintamos no dever de responder à altura e, mais que isso, calar-lhe com a nossa ideia.
Donde parte a presunção que nos assola, quando agimos desta forma? O que move essa pseudonecessidade nossa de opinar, argumentar, discordar e mesmo ser agressivos apelando para expressões chulas e vilipendiosas? Presunçosamente, talvez até igualando-me aos opinadores profissionais, diria tratar-se de uma excreção do pensamento egoísta advinda do eucentrismo, quando a criatura acha que tudo deve submeter-se ao seu modo de pensar.
Sabe-se que a palavra edifica, educa, consola e ampara, mas também o imediatamente contrário. Quantas discórdias, situações embaraçosas, embates e até mesmo guerras tiveram início nas palavras mal articuladas, estruturadas tão somente num sentimento de ódio, quiçá mesmo de covardia? Percebemos de modo muito particular o desespero da criatura humana em transferir para os outros, e para qualquer um, a causa de suas frustrações e, consequentemente, o fel de suas amarguras.
Quantos opinadores reclamando de preconceito e sentindo-se vítimas de um sistema quando, a bem da verdade, elas são as mais preconceituosas e psicologicamente desestruturadas, uma vez que ainda não conseguiram aceitar a si mesmas e esperam dos outros esse comportamento. Aliás, há quem veja cabelo em casca de ovo, quando, nunca tendo sido vítima de preconceito, toma a dor dos outros e ataca indiscriminadamente generalizando o comportamento de uns.
Sim o erro, a corrupção, o preconceito, a violência, o desrespeito e muitas outras aberrações comportamentais e mentomorais existem e devemos pesquisar, refletir e ter opinião sobre. O que não devemos é violentar consciência alguma, desrespeitar o outro que pensa e age diferente, julgar e condenar, execrar a quem quer que seja. Na pretensa ação de expor ponto de vista sobre um assunto, poderemos, ao final das contas, ser tidos como aqueles que contribuem para o mal-estar no mundo, uma vez que, ao invés de induzir o pensar e o refletir, conduzimos ao ódio e, o pior, à vingança.
Silenciar não é ser conivente, permissivo o irresponsável. Silenciar é um ato de coragem e estratégia do bem. Se me convenço de que algo não está correto, contribuo para sua transformação de modo prático e pontual, mas nunca o agravando levando uma discussão a níveis perturbadores. Expressar um ponto de vista na hora e da forma correta, após profundas reflexões sobre o que de fato acontece, nos credencia a pessoas em condição de credibilidade, uma vez que não é a mesquinhez que nos dirige, mas o pensar calcado num preceito básico de respeito ao próximo, como um desdobramento do pensamento de Jesus que pediu amássemo-nos uns aos outros e como ele nos amou, ou seja, com a verdade, com a opinião formada, mas nunca com a violência e a agressão.
Responder a um deboche com outro, uma agressão com outra, um preconceito com outro? Que fazemos nós de diferente? O próprio Jesus foi quem questionou isso; se só agimos em clima de paz e harmonia com quem assim o age conosco, o que nos torna diferente dos mesquinhos, irresponsáveis e preconceituosos?
Joanna de Ângelis[1] valida tal pensamento quando nos afirma: “A palavra, por exemplo, é um talento, que nem todos aplicam conforme deveriam, porquanto, através dela se produzem as rixas e as brigas, as intrigas e maledicências, as infâmias e as acusações, muitas vezes culminando em guerras infernais… quando a sua finalidade é exatamente o contrário”.
Segundo André Luiz[2], “acalmar-se é acalmar os outros… a palavra cruel aumenta a força do crime”. É preciso pontuarmos as questões sem darmos margem ao sensacionalismo e à crítica que é apenas mais do mesmo, ou seja, não constrói.
Emmanuel[3], por sua vez, explica o que Shakespeare quis dizer na frase do início desse texto, quando roga “não nos esqueçamos de que nossos pensamentos, palavras, atitudes e ações constituem moldes mentais para os que nos acompanham”. Ou seja, nossa opinião impacta o outro e somos responsáveis pelo que despertamos no próximo. E, se responsáveis somos, que impactemos com o que é bom, edificante e pacificador.
A promessa de Jesus de que herdariam a Terra aqueles que fossem brandos e pacíficos é justamente nos dizendo que seremos mais ouvidos, respeitados e “seguidos” no modo de pensar, se nosso objetivo for o bem comum e nossa postura for aquela que agrega, respeita e acolhe.


 fonte blog do caridade e fe
[1] FRANCO, Divaldo Pereira. Em busca da verdade. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador: Leal, 2009. Cap. 07.
[2] VIEIRA, Waldo. Conduta Espírita. Pelo Espírito André Luiz. 32. ed. 6. Imp. Brasília, DF: FEB, 2015. Cap. 39.
[3] XAVIER, Francisco C. Fonte Viva. Pelo Espírito Emmanuel. Rio de Janeiro: FEB, 1952. Cap. 161.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

NÃO PERCA


Não perca a esperança.
Há milhões de pessoas aguardando os recursos de que você já dispõe.
Não perca o bom humor.
Em qualquer acesso de irritação, há sempre um suicidiozinho no campo de suas forças.
Não perca a tolerância.
É muita gente a tolerar você naquilo que você ainda tem de indesejável.
Não perca a serenidade.
O problema pode não ser assim tão difícil quanto você pensa.
Não perca a humildade.
Além da planície, surge a montanha, e, depois da montanha, aparece o horizonte infinito.
Não perca o estudo.
A própria morte é lição.
Não perca a oportunidade de servir aos semelhantes.
Hoje e amanhã, você precisará de concurso
alheio.
Não perca tempo.
Os dias voltam, mas os minutos são outros.
Não perca a paciência.
Recorde a paciência inesgotável de Deus.

BEM E MAL SOFRER


           Quando o Cristo disse: "Bem-aventurados os aflitos, o reino dos céus lhes pertence", não se referia de modo geral aos que sofrem, visto que sofrem todos os que se encontram na Terra, quer ocupem tronos, quer jazam sobre a palha. Mas, ah! poucos sofrem bem; poucos compreendem que somente as provas bem suportadas podem conduzi-los ao reino de Deus.
           O desânimo é uma falta. Deus vos recusa consolações, desde que vos falte coragem. A prece é um apoio para a alma; contudo, não basta: é preciso tenha por base uma fé viva na bondade de Deus. Ele já muitas vezes vos disse que não coloca fardos pesados em ombros fracos. 
             O fardo é proporcionado às forças, como a recompensa o será à resignação e à coragem. Mais opulenta será a recompensa, do que penosa a aflição. Cumpre, porém, merecê-la, e é para isso que a vida se apresenta cheia de tribulações. (...)

Lacordaire. (Havre, 1863.)
O Evangelho Segundo o Espiritismo. 
Allan Kardec

UMA BOA PALAVRA



No teu relacionamento diário com as pessoas, não te esqueças de endereçar-lhes sempre uma boa palavra.

A palavra de esperança é uma luz que se acende no caminho dos companheiros que se revelam vacilantes na luta.

A palavra de coragem é um apoio para os que necessitam seguir adiante no desempenho das próprias obrigações.

A palavra de compreensão não raro, é mais eficaz que o medicamento prescrito pela medicina convencional aos que se queixam de amargura e desalento.

A palavra de incentivo aos que se dedicam às boas obras, pode ser comparada a preciosa alavanca que guarda consigo o poder de remover as pedras de tropeço.

Não olvides, assim, os prodígios de amor que podes realizar através de uma boa palavra e promova, desde agora, rigorosa triagem nos assuntos ventilados por teu verbo.

Falando, construirás a felicidade ou , ainda falando, arrasarás com os ideais de muita gente.

Fala como se trouxesses Jesus no entendimento e no coração e a tua palavra, em todas as ocasiões, brilhará em teus lábios à feição de uma estrela engastada no céu de tua boca.

Pelo Espírito Irmão José
Chico Xavier - Carlos Baccelli

"Deus não dá prova superior às forças daquele que a pede; só permite as que podem ser cumpridas. Se tal não sucede, não é que falte possibilidade: falta a vontade".

E.S.E. Cap. XIV Item 9.



Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

Dalai Lama

Caminhos


Procure descobrir o seu caminho na vida.
Ninguém é responsável por nosso destino, a não ser nós mesmos.

Chico Xavier