#htmlcaption1 Deus, força e luz O evangelho ensinado e vivenciado ha 99 anos

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

ESTAMOS NO FIM DO MUNDO


O planeta Terra está em transição. É o "FIM DO MUNDO" de provas e expiações e o início do mundo de regeneração. Muitos chamam de "FINAL DOS TEMPOS". Sim, final do tempo ruim e início de tempo bom. Enfim, nosso planeta está evoluindo, embora não pareça. Segundo Divaldo Franco no livro Entrevistas & Lições "...no terceiro milênio haverá uma grande transformação...o processo de evolução é muito lento e costumamos dizer que, até o dia 31 de dezembro de 2999 ainda estaremos no terceiro milênio." Entendemos que, a transição acontecerá dentro do terceiro milênio, portanto, não acontecerá tão rapidamente. Estamos naquela "peneira" simbólica que Jesus mencionou, onde está havendo a separação do joio e do trigo. E esta separação ocorre no plano espiritual ao desencarnarmos. Os bons continuarão reencarnando na Terra para dar exemplo e continuidade a um planeta regenerado. E os maus estão tendo a oportunidade de regenerar-se, senão terão que mudar para outro planeta que condizem com seu comportamento. Mas, como está no livro “Transição Planetária”: “Antes, porém, de chegar esse momento, a violência, a sensualidade, a abjeção, os escândalos, a corrupção atingirão níveis dantes jamais pensados, alcançando o fundo do poço, enquanto as enfermidades degenerativas, os transtornos bipolares de conduta, as cardiopatias, os cânceres, os vícios e os desvarios sexuais clamarão por paz, pelo retorno à ética, à moral, ao equilíbrio(...)
“Como em toda batalha, momentos difíceis surgirão exigindo equilíbrio e oração fortalecedores, os lutadores estarão expostos no mundo, incompreendidos, desafiados por serem originais na conduta, por incomodarem os insensatos que, ante a impossibilidade de os igualarem, irão combatê-los, e padecendo diversas ocasiões de profunda e aparente solidão... Nunca, porém, estarão solitários, porque a solidariedade espiritual do Amor estará com eles, vitalizando-os e encorajando-os ao prosseguimento (...)”
Então, colaboremos com esta transição. O mundo só será melhor quando melhorarmos o mundo que existe dentro de nós. Como disse André Luiz: "A vida fora de nós é a imagem daquilo que somos por dentro." Pensemos nisso!

Rudymara

ALIMENTO NO NOSSO LAR


CAPÍTULO 18:
AMOR, ALIMENTO DAS ALMAS

Terminada a oração, chamou-nos à mesa a dona da casa, servindo caldo reconfortante e frutas perfumadas, que mais pareciam concentrados de fluidos deliciosos. Eminentemente surpreendido, ouvi a senhora Laura observar com graça:
- Afinal, nossas refeições aqui são muito mais agradáveis que na Terra. Há residências, em "Nosso Lar", que as dispensam quase por completo; mas, nas zonas do Ministério do Auxílio, não podemos prescindir dos concentrados fluídicos, tendo em vista os serviços pesados que as circunstâncias impõem. Despendemos grande quantidade de energias. É necessário renovar provisões de força.
- Isso, porém - ponderou uma das jovens -, não quer dizer que somente nós, os funcionários do Auxílio e da Regeneração, vivamos a depender de alimentos. Todos os Ministérios, inclusive o da União Divina, não os dispensam, diferindo apenas a feição substancial. Na Comunicação e no Esclarecimento há enorme dispêndio de frutos. Na Elevação o consumo de sucos e concentrados não é reduzido, e, na União Divina, os fenômenos de alimentação atingem o inimaginável.
Meu olhar indagador ia de Lísias para a Senhora Laura, ansioso de explicações imediatas. Sorriam todos da minha natural perplexidade, mas a mãe de Lísias veio ao encontro dos meus desejos, explicando:
- Nosso irmão talvez ainda ignore que o maior sustentáculo das criaturas é justamente o amor. De quando em quando, recebemos em "Nosso Lar" grandes comissões de instrutores, que ministram ensinamentos relativos à nutrição espiritual. Todo sistema de alimentação, nas variadas esferas da vida, tem no amor a base profunda. O alimento físico, mesmo aqui, propriamente considerado, é simples problema de materialidade transitória, como no caso dos veículos terrestres, necessitados de colaboração da graxa e do óleo. A alma, em si, apenas se nutre de amor. Quanto mais nos elevarmos no plano evolutivo da Criação, mais extensamente conheceremos essa verdade. Não lhe parece que o amor divino seja o cibo do Universo?
Tais elucidações confortavam-me sobremaneira. Percebendo-me a satisfação íntima, Lísias interveio, acentuando:
- Tudo se equilibra no amor infinito de Deus, e, quanto mais evolvido o ser criado, mais sutil o processo de alimentação. O verme, no subsolo do planeta, nutre-se essencialmente de terra. O grande animal colhe na planta os elementos de manutenção, a exemplo da criança sugando o seio materno. O homem colhe o fruto do vegetal, transforma-o segundo a exigência do paladar que lhe é próprio, e serve-se dele à mesa do lar. Nós outros, criaturas desencarnadas, necessitamos de substâncias suculentas, tendentes à condição fluídica, e o processo será cada vez mais delicado, à medida que se intensifique a ascensão individual.
- Não esqueçamos, todavia, a questão dos veículos - acrescentou a senhora Laura -, porque, no fundo, o verme, o animal, o homem e nós, dependemos absolutamente do amor. Todos nos movemos nele e sem ele não teríamos existência.
- É extraordinário! - aduzi, comovido.
- Não se lembra do ensino evangélico do "amai-vos uns aos outros"? - prosseguiu a mãe de Lísias atenciosa - Jesus não preceituou esses princípios objetivando tão-somente os casos de caridade, nos quais todos aprenderemos, mais dia menos dia, que a prática do bem constitui simples dever. Aconselhava-nos, igualmente, a nos alimentarmos uns aos outros, no campo da fraternidade e da simpatia. O homem encarnado saberá, mais tarde, que a conversação amiga, o gesto afetuoso, a bondade recíproca, a confiança mútua, a luz da compreensão, o interesse fraternal - patrimônios que se derivam naturalmente do amor profundo - constituem sólidos alimentos para a vida em si. Reencarnados na Terra, experimentamos grandes limitações; voltando para cá, entretanto, reconhecemos que toda a estabilidade da alegria é problema de alimentação puramente espiritual.
Formam-se lares, vilas, cidades e nações em obediência a imperativos tais.
Recordei instintivamente as teorias do sexo, largamente divulgadas no mundo; mas, adivinhando-me talvez os pensamentos, a senhora Laura sentenciou:
- E ninguém diga que o fenômeno é simplesmente sexual. O sexo é manifestação sagrada desse amor universal e divino, mas é apenas uma expressão isolada do potencial infinito. Entre os casais mais espiritualizados, o carinho e a confiança, a dedicação e o entendimento mútuos permanecem muito acima da união física, reduzida, entre eles, a realização transitória. A permuta magnética é o fator que estabelece ritmo necessário à manifestação da harmonia. Para que se alimente a ventura, basta a presença e, às vezes, apenas a compreensão.
Valendo-se da pausa, Judite acrescentou:
- Aprendemos em "Nosso Lar" que a vida terrestre se equilibra no amor, sem que a maior parte dos homens se aperceba. Almas gêmeas, almas irmãs, almas afins, constituem pares e grupos numerosos. Unindo-se umas às outras, amparando-se mutuamente, conseguem equilíbrio no plano de redenção. Quando, porém, faltam companheiros, a criatura menos forte costuma sucumbir em meio da jornada.
- Como vê, meu amigo - objetou Lísias contente -, ainda aqui é possível relembrar o Evangelho do Cristo. "Nem só de pão vive o homem." Antes, porém, de se alinharem novas considerações, tiniu a campainha fortemente.
Levantou-se o enfermeiro para atender.
Dois rapazes de fino trato entraram na sala.
- Aqui tem - disse Lísias, dirigindo-se a mim gentilmente – nossos irmãos Polidoro e Estácio, companheiros de serviço no Ministério do Esclarecimento.
Saudações, abraços, alegria.
Decorridos momentos, a senhora Laura falou sorridente:
- Todos vocês trabalharam muito hoje. Utilizaram o dia com proveito.
Não estraguem o programa afetivo, por nossa causa. Não esqueçam a excursão ao Campo da Música.
Notando a preocupação de Lísias, advertiu a palavra materna:
- Vai, meu filho. Não faças Lascínia esperar tanto. Nosso irmão ficará em minha companhia, até que te possa acompanhar nesses entretenimentos.
- Não se incomode por mim - exclamei, instintivamente.
A senhora Laura, porém, esboçou amável sorriso e respondeu:
- Não poderei compartilhar das alegrias do Campo, ainda hoje. Temos em casa minha neta convalescente, que voltou da Terra há poucos dias.
Saíram todos, em meio do júbilo geral. A dona da casa, fechando a porta, voltou-se para mim e explicou sorridente:
- Vão em busca do alimento a que nos referíamos. Os laços afetivos, aqui, são mais belos e mais fortes. O amor, meu amigo, é o pão divino das almas, o pábulo sublime dos corações.

PRECISAMOS PEDIR MENOS E AGIR MAIS


Estamos em plena Transição Planetária.
As religiões precisam ajudar seus seguidores a melhorar suas atitudes em relação à sua vida e a dos outros. 
Chega de viciar seus fieis a buscarem religião com segunda intenção, somente com interesse de resolver problemas físicos e materiais.
Chega de buscar a voz de “espíritos” em consultas espirituais para saber coisas que a voz da nossa consciência pode responder.
Chega de querer afastar negatividade com amuletos, fórmulas mágicas, orações milagrosas. Quem atrai ou repele o mal são nossas atitudes.
Chega de pedir curas milagrosas do corpo físico aos céus sem se esforçar para cuidar da saúde física e espiritual. 
Chega de empurrar nossas culpas, falhas, erros, vícios aos desencarnados, aos pais ou a outra pessoa qualquer. 
Chega de pedir coisas para Deus e Jesus sem se esforçar em ouvir Seus pedidos para nós.
Somos hoje o que fizemos de nós ontem e seremos amanhã o que fizermos hoje. É a colheita...
Moramos num planeta que abriga espíritos rebeldes e ignorantes, dentre eles estamos nós. Como querer ter pai, mãe, irmãos, filhos, etc., perfeitos?
Precisamos tirar lições dessa convivência.
Muitas vezes nos encontramos na família para aparar arestas que deixamos para trás no passado reencarnatório.
Temos que nos perguntar: Será que não fui um filho ingrato e relapso? Será que não fui um pai ou uma mãe irresponsável? Por que estas pessoas com quem convivo são assim? Por que eu sou assim? Onde devo ajudá-los? Como posso melhorar?
A maior cobrança deve vir de nós para nós. 
É hora de assumirmos responsabilidades, as consequências dos nossos atos.
Mas, onde devemos nos apoiar para pedir ajuda? No Evangelho de Jesus. Nele há as normas de conduta que nos fará responsáveis, fortes e úteis na Sua seara.

Rudymara

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

TOQUES ESPIRITUAIS DO PRETO VELHO AMIGO – XVI*

1653 toques espirituais do preto velho amigo xvi

 
1. Como asseverou Nosso Senhor: “a cada um segundo suas obras”.
Por isso, o aprofundamento espiritual é a coisa mais séria de todas.
Não se pode brincar com isso e nem misturar quizilas de ego no serviço!
Os participantes de trabalhos e estudos espirituais precisam estar atentos…
É fácil cair da sela, se os cavaleiros não forem prudentes e responsáveis.
 
2. Dizer-se iniciado espiritual é fácil. O difícil é trabalhar na crosta da Terra e fazer a caridade em Nome do Nosso Senhor.
 
3. Os irmãozinhos das trevas adoram demandas entre trabalhadores espirituais. Isso transforma negativamente as energias e favorece suas investidas invisíveis contra o esclarecimento da Luz. Na verdade, eles se alimentam disso!
 
4. Muitas vezes, os espíritos infelizes exploram as demandas internas que já encontram nas mentes de suas vítimas. Eles entram no clima espiritual delas e insuflam mais demandas. O resultado disso são aquelas sensações estranhas e deprimentes, que surgem sem motivo aparente, mas, que são impostas por esses agentes extrafísicos (sempre à cata de energias e pensamentos inferiores).
 
5. Quem está nas lides espirituais precisa ser responsável e coerente com tudo aquilo que estuda e almeja. Essa não é uma área para pessoas que querem permanecer nas sombras de si mesmas. É preciso coragem para vencer as próprias mazelas e não abrir brechas para coisas ruins.
 
6. Nosso Senhor não olha raça ou credo de ninguém!
O que Ele vê é o esforço de cada um na constante melhoria de si mesmo…
O valor do serviço dos filhos de fé só pode ser avaliado por Oxalá, o verdadeiro Mestre de todos.
 
7. Na verdade, o trabalhador espiritual que se julga especial e superior aos outros está doente da consciência! Sua arrogância é sua chaga principal. Seus irmãozinhos das trevas sabem disso (e consideram-se semelhantes, pois também são assim).
 
8. A escolta dos bons trabalhadores é o seu próprio caráter.
O que eles são verdadeiramente, está bem claro em seus propósitos e atos.
Pela Lei de Sintonia Espiritual, os emissários extrafísicos de Oxalá os acompanham e inspiram suas jornadas…
 
9. Para Nosso Senhor, não existem grandes ou pequenos trabalhadores…
Pois todos são centelhas espirituais do seu Amor Infinito.
 
10. Curvar os joelhos pode ser apenas um movimento externo e dependente de condicionamentos religiosos, mas, curvar o orgulho diante do infinito e queimar as próprias quizilas internas no fogo da consciência clara, é atitude venturosa e de acordo com os ensinamentos espirituais elevados.
           
P.S.:
Quem está na senda espiritual caminha pelo Coração Infinito de Oxalá... E sabe que é Ele que comanda tudo! Essa verdade não precisa de confirmação, porque já ressoa no coração dos filhos de fé. Eles sabem que é o Senhor da Vida que canta a espiritualidade neles.
Fé. Luz. Amor. Axé.
 
- Pai Joaquim de Aruanda –
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges – São Paulo, 10 de outubro de 2018.)

poesias

Resultado de imagem para flores

FLORES

Ah, as flores como são belas!

São pequenos chacras da natureza,

Botões em cores, criaturinhas cheias de beleza.

Alguém magoado pode dizer:

- Como se pode falar de flores num planeta tão cheio de dores?

Ao que nós, poetas inveterados, retrucamos:

- Como é que se pode falar de dores num planeta tão cheio de flores?

E isso sem falar nos amores, que apartam as dores.

Pois é, meus amigos, falamos de flores com vocês, esperando que vocês sejam

Bonitas flores espirituais no jardim da vida.

Que Deus lhes abençoe e os torne poetas na próxima vida.


- Cia do Amor (A turma dos Poetas em Flor) 

A emocionante aparição de santa portuguesa no quarto de Chico Xavier


Quando Chico Xavier tinha 17 anos de idade, ele estava em seu quarto, à noite, orando, de joelhos ao pé da cama. Viu seu quarto iluminar-se e uma senhora, de admirável presença, dirigiu-se a ele falando em castelhano. Mesmo ignorando esse idioma, entendeu perfeitamente o que ela dizia:
– Francisco, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, venho solicitar o seu auxílio em favor dos pobres, nossos irmãos.
Emocionado e em lágrimas, Chico lhe perguntou:
– Senhora, quem sois?
Ela lhe respondeu:
– Você não se lembra agora de mim; no entanto, sou Isabel, Isabel de Aragão.
Chico não conhecia nenhuma senhora com esse nome e estranhou o que ela lhe dizia; no entanto, uma força o continha, calando qualquer comentário. Perguntou então:
– Senhora, sou pobre e nada tenho para dar. Que auxílio poderei prestar aos mais pobres do que eu mesmo?
Ela esclareceu com doçura:
– Você nos auxiliará a repartir pães com os necessitados.
E Chico argumentou com pesar:
– Senhora, quase sempre, não tenho pão para mim. Como poderei repartir pães com os outros?
A senhora sorriu e esclareceu:
– Chegará o tempo em que você disporá de recursos. Você vai escrever para as nossas gentes peninsulares e, trabalhando por Jesus, não poderá receber vantagem material alguma pelas páginas que produzir, mas vamos providenciar para que os Mensageiros do Bem lhe tragam recursos para iniciar a tarefa. Confiemos na bondade do Senhor.
Chico passou as duas semanas seguintes sem entender o significado de “gentes peninsulares” e sem saber quem teria sido Isabel de Aragão. Uma noite, após suas preces, surge-lhe um Espírito que se identificou como Fernão Mendes, dizendo que havia sido no século XIV, confessor de Isabel, a Rainha Santa de Portugal (1270-1336). Explicou-lhe o significado de “gentes peninsulares”, como sendo os habitantes da península europeia; também lhe disse que, por recomendação dela, não lhe faltariam recursos para a distribuição de pães aos necessitados.
No primeiro sábado após essa ocorrência, Chico e sua irmã Luíza foram até uma ponte onde se refugiavam alguns indigentes. Levavam para eles um cesto com apenas oito pães que repartiram entre todos. Foi assim que ele iniciou essa tarefa em Pedro Leopoldo-MG, que durou de 1927 a1958. Em janeiro de 1959 Chico mudou-se para Uberaba. Sua casa ficava vizinha de três núcleos de favelas. A distribuição de pães foi novamente retomada, atendendo àquelas comunidades carentes, todos os sábados, chegando a distribuir em torno de 1.500 pães por semana.
Extraído do Livro:
Chico Xavier e Isabel, a Rainha Santa de Portugal – autor: Eduardo C. Monteiro
Médium: Valter Turini
Espírito: Monsenhor Eusébio Sintra

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

As doenças e seus significados interiores

UTI
Minha filha, meu filho, cada doença tem sua ligação com nosso histórico espiritual e tem sua razão particular em se manifestar, seja por resgate de vidas passadas, seja resultado do nosso comportamento hoje e uma maneira do nosso corpo – e espírito – nos dar avisos.
Nosso livre-arbítrio nem sempre é bem usado e as consequências aparecem, quase sempre através de variadas enfermidades.
O significado de cada uma delas é particular. Cada pessoa terá um significado para um câncer, uma depressão. Passado o momento de desespero diante dos mais difíceis diagnósticos, a lucidez nos permite retirar o aprendizado.
Infelizmente muitos de nós ainda precisam de momentos como esse para aprender o que se veio aprender. Muitos de nós precisam da dor para realizar o resgate.
Passada a tempestade, após anos, isso fica claro em nossos olhos e corações. E as enfermidades, de alguma forma, se tornaram mestras em nossa vida.
Não podemos subestimar nenhuma situação em nossas vidas. Confie sempre que tudo que nos acontece é para nos lapidar interiormente rumo a conquista de nós mesmos.


O que acontece conosco após a morte?

na hora da morte
CHICO DE MINAS XAVIER | Irmão Luz
Minha filha, meu filho, com a morte do corpo físico, nosso espírito retorna ao plano espiritual para se restabelecer do aprendizado na maior de todas as escolas, a Terra.
Encontramos alimento integral para o nosso ser depois de intensos desafios da matéria, que não deixa de ser uma prisão para um espírito livre, tal qual uma águia sem as asas.
Mentores espirituais ligados à nossa missão aqui na terra, juntamente com familiares que nos são queridos, nos recebem nessa passagem de luz, compatível com a vibração do nosso ser.
Alguns de nós, pela sua próprio vibração, passarão uma temporada de despertar em regiões conhecidas como Umbral, até aceitarem a ajuda providencial para seguir a caminhada em uma colônia espiritual.
Nossa missão aqui na terra continua no plano espiritual, inspirando e auxiliando até mesmo de maneira direta irmãos que seguiram nossos passos nos mais diferentes campos de atuação.
Os céus, meus filhos, estão constantemente nos enviando os sinais, as inspirações necessárias para alcançarmos por nós mesmos o conhecimento pelo nosso desenvolvimento.

Os ministérios que conhecemos em governos por todo mundo existem em colônias como Nosso Lar e necessitam do nosso trabalho em prol do universo, atingindo todos os nossos irmãos, encarnados e desencarnados.

Vou conseguir o que estou desejando?

confiança
Minha filha, meu filho, tudo o que precisamos chegará até nós no momento exato que precisamos. O que desejamos, também, desde que tenhamos realizado bem o plantio.
Dalai Lama diz algo interessante neste sentido: ‘Não conseguir determinada coisa na vida pode ser uma tremenda sorte’.
Explico: determinadas coisas em nossas mãos ainda imaturas pode nos trazer mais dores do que alegrias.
A maturidade é tão importante justamente para sabermos lidar com sabedoria com tudo que nos chega às mãos, fazendo sempre multiplicar, prosperar, de uma maneira sadia.
Portanto sempre deseje algo que profundamente agregue em sua vida, algo que multiplique a sua capacidade de espalhar o bem através da sua missão aqui na terra.
Às vezes desejamos tanto algo de supérfluo, muitas vezes material, que esse apego atrapalha o encaminhamento natural das coisas, principalmente imateriais, de que tanto precisamos.
Sonhar e desejar precisa fazer parte da nossa sede de vida e é necessário alimentar isso diariamente em nossa vida.
Mas tudo ao seu tempo, entregando, aceitando, confiando e agradecendo.
Reflita.
Abraço fraterno do Irmão Luz.

Jackie Doyle-Price, ministra da Prevenção do Suicídio na Inglaterra

No dia Mundial da Saúde Mental (10 de outubro), o Reino Unido fez história e nomeou um ministro para “acabar com o estigma que obriga demasiada gente a sofrer em silêncio”
É, quase de certeza, a primeira vez que um país nomeia um ministro para a Prevenção do Suicídio. As honras são feitas pelo Reino Unido e a responsável pela pasta vai ser Jackie Doyle-Price, deputada do Partido Conservador. Todos os anos, 4500 britânicos escolhem pôr fim à vida.
“Juntos conseguimos mudar isto. Podemos acabar com o estigma que obriga demasiada gente a sofrer em silêncio. Podemos prevenir a tragédia do suicídio que está a tirar demasiadas vidas. E podemos ainda dar às nossas crianças, como prioridade que tanto merecem, o bem estar mental”, disse a primeira-ministra Theresa May, citada pelo “The Guardian”, esta quarta-feira, quando se assinala o dia Mundial da Saúde Mental, numa conferência sobre a temática.
Além de um ministro designado para esta área, o Reino Unido vai ainda investir, financeiramente, em estruturas e projetos de apoio à saúde mental infantil. Prevê-se que 1,4 milhões de libras (cerca de 1,6 milhões de euros) sejam aplicados na área. No entanto, um relatório da Whitehall, gabinete nacional de auditoria britânico, revelou esta terça-feira que mesmo com o extra “as necessidades não são significativamente satisfeitas”. Faltam recursos humanos, a investigação é pouca e o controle dos gastos no Serviço Nacional de Saúde, sublinha o jornal britânico “The Guardian”.
Esta quarta-feira mais de 50 representantes de vários países estiverem presentes na conferência sobre Saúde Mental. O anfitrião foi o secretário da Saúde britânico, Matt Hancock. A nomeação de um novo ministro, defendeu à BBC, vai ajudar a recolher o apoio da sociedade para o problema e equiparar à resposta que já existe para os problemas físicos. “Há longo caminho a percorrer até lá chegarmos. Não algo que se resolva num dia”, disse.
Entre outras áreas, a Saúde é uma das que as quatro nações do Reino Unido têm autonomia. E, por isso mesmo, Jackie Doyle-Price apenas irá exercer funções na Inglaterra nas áreas da saúde mental e desigualdades – além da prevenção de suicídio. Uma das aposta vai ser no uso da tecnologia para identificar os casos de risco.
No Reino Unido, o suicídio é a principal causa de morte nos homens com menos de 45 anos.

Quem é Jackie Doyle-Price?

Há oito anos foi eleita por Thurrock como deputada pela primeira vez. Jackie Doyle-Price estava agora no ministério da Saúde britânico há cerca de um ano e meio, precisamente, com a pasta da secretaria de Estado para a saúde mental e desigualdade. Tem 46 anos e é membro do Partido Conservador ainda durante a adolescência.
“Entendo o quão trágico, devastador e quais os efeitos a longo prazo o suicídio pode ter nas famílias e nas comunidades. Durante o tempo em que estive no Ministério da Saúde conheci muitas pessoas de luto devido ao suicídio e as suas histórias de dor e perda ficaram comigo por muito tempo”, referiu a recém nomeada ministra num comunicado, citado pelo “The Guardian”“São estas pessoas que precisam de ser o coração do que estamos a fazer e vejo com bons olhos a oportunidade trabalhar próxima delas, tal como com os especialistas, para acompanhar o plano de prevenção de suicídio definido pelo Governo, garantindo que os seus pontos de vistas vão ser sempre ouvidos.”
Jackie Doyle-Price é licenciada em Economia pela Universidade de Durham, no nordeste de Inglaterra. Hoje, vive em Grays, a cerca de 40 quilômetros do centro de Londres. É casada e o seu marido trabalha para ela no gabinete da secretaria de estado, fato esse que chegou a ser motivo de críticas nos meios de comunicação britânicos.
Nota do Editor:
Texto, originalmente, publicado em 11/10/2018

Conheça o Blog “Suicídio: conhecer para prevenir” e leia este e outros textos sobre a Prevenção do Suicídio: